Você viu?

Facebook pede ajuda à polícia para deter transmissões de ataques extremistas

Iniciativa é parte de pacote de medidas tomadas pela rede social para acabar com 'ódio e extremismo'

Tela de entrada do Facebook
Tela de entrada do Facebook - Alastair Pike / AFP
San Francisco

O Facebook pediu nesta terça-feira (17) às forças de ordem nos Estados Unidos e no Reino Unido que incorporem tecnologia capaz de deter as transmissões ao vivo de ataques extremistas, como aconteceu em março no tiroteio de Christchurch. 

A iniciativa é parte de um amplo pacote de medidas tomadas pela rede social para acabar com os conteúdos de "ódio e extremismo" e para agregar sua lista de "organizações terroristas" a movimentos ou indivíduos que defendam a superioridade da raça branca. 

O Facebook foi muito criticado por demorar 17 minutos para interromper a transmissão de um supremacista branco que no dia 15 de março matou 51 fiéis muçulmanos em Christchurch, na Nova Zelândia. 

Desde então, a companhia tem multiplicado suas iniciativas como as restrições no acesso ao Facebook Live, reuniões com políticos e uma aliança com outras redes para frear o "desvio de tecnologias para transmitir conteúdo terrorista". 

A polícia de Londres permitirá desde outubro que o Facebook treine suas ferramentas de inteligência artificial para detectar rapidamente esses conteúdos e eliminá-los. 

A dificuldade é que essa tecnologia deve ser capaz de distinguir entre um ataque na vida real e uma cena de filme ou de videogame. 

As ferramentas de inteligência artificial precisam de grandes quantidades de dados - nesse caso, imagens de tiroteios - para aprender a reconhecê-los, ordená-los e neste caso eliminá-los. 

Depois de disponibilizar múltiplos recursos para combater o uso de sua rede por parte de organizações como a Al-Qaeda e o grupo jihadista Estado Islâmico, o Facebook se concentrou no supremacismo branco, cujos partidários estão por trás de muitos assassinatos perpetrados nos últimos anos nos Estados Unidos. 

AFP
Final do conteúdo

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem