Você viu?

Carta com pó branco enviada à noiva de príncipe Harry é 'crime de ódio racial', diz Scotland Yard

A polícia investiga se a carta tem relação com envelope enviado ao Parlamento britânico

O príncipe Harry e a atriz americana Meghan Markle no Palácio de Kensington
O príncipe Harry e a atriz americana Meghan Markle no Palácio de Kensington - Daniel Leal-Olivas-22.nov.2017AFP

RFI

A Scotland Yard investiga o que considerou um ataque racista contra Meghan Markle, futura mulher do príncipe Harry. A atriz americana, cuja mãe tem origens africanas, recebeu uma carta com pó branco, simulando envio de antraz, revelou nesta quinta-feira (22) o jornal britânico "Evening Standard". 

De acordo com a publicação, a Scotland Yard abriu uma investigação para averiguar o que considera uma "crime de ódio racial". No entanto, os investigadores já anunciaram que a substância encontrada dentro do envelope é inofensiva.

A carta, enviada ao Palácio de St James, no centro de Londres, era endereçada à Meghan Markle e ao príncipe Harry. Dentro do envelope, recebido no último 12 de fevereiro, também haveria uma nota com ofensas racistas. 

Especialistas em terrorismo da Scotland Yard foram mobilizados para determinar quem é o autor do ataque. A polícia também investiga se a carta tem relação com um envelope enviado ao Parlamento britânico em 13 de fevereiro, que também continha pó branco. 

Segundo os investigadores, nem a atriz, nem o príncipe chegaram a abrir a carta, mas foram informados sobre o caso. O serviço de imprensa da família real britânica não se pronunciou sobre a agressão até o momento. 

MÃE NEGRA, PAI BRANCO

Meghan Markle, 37, nasceu em Los Angeles. Ela é filha de Doria Loyce Ragland, americana, assistente social e professora de ioga, de origem africana, e de Thomas Markle, também americano, diretor de fotografia, de origem holandesa e irlandesa.

A atriz diz ter sido frequentemente alvo de comentários racistas quando pequena. Frequentemente lhe perguntavam se Doria, que tem a pele mais escura do que a filha, era sua mãe biológica. Essa também não é a primeira vez que Meghan Markle é alvo de um ataque racista no Reino Unido, desde que o noivado com príncipe Harry foi anunciado.

Em janeiro, Henry Bolton, então chefe do partido eurocético britânico Ukip, foi obrigado a renunciar, depois da divulgação de um SMS de sua namorada, afirmando que a futura união da atriz americana com o príncipe britânico vai "estragar a família real". "Depois teremos um primeiro-ministro muçulmano. E um rei negro", diz a mensagem que causou escândalo no país.

O casamento de Meghan Markle com Harry está marcado para 19 de maio no castelo de Windsor, oeste de Londres. 

Final do conteúdo

Últimas Notícias

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem