BBB21

Globo suspende inscrições para BBB 22 em algumas regiões do país

Emissora afirma que houve grande volume de acessos

Participantes do BBB 21 fazem  selfie em festa
Participantes do BBB 21 fazem selfie em festa - Reprodução/Globo
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

São Paulo

Um dia após anunciar a abertura das inscrições para o Big Brother Brasil 22, a Globo teve que se suspender, em algumas regiões do país, devido ao elevado volume de acessos. A decisão foi comunicada por Tiago Leifert no programa desta sexta-feira (30).

O apresentar afirmou que, em breve, a emissora vai liberar novamente a página para novas inscrições. Ele reforçou ainda que isso sempre acontece. Por isso, a página de inscrições abre e fecha de tempos em tempos.

Leifert, porém, não especificou quais regiões passaram por problemas, e brincou com os candidatos a uma vaga no reality. “‘Mas quando vai abrir, Tiago?’ Sei lá. É problema seu. Aperte F5. Considere a inscrição a primeira prova do líder da sua temporada."

Com a quarentena imposta pela pandemia, as entrevistas de seleção serão feitas de forma virtual, como aconteceu nesta temporada. A Globo alerta que todos os contatos serão feitos pelos canais que o candidato preencheu no questionário, como email, telefone e SMS.

Segundo a emissora, o primeiro contato com os selecionados será feito por email —com domínio @redeglobo.com.br. Após essa primeira etapa, a emissora entrará em contato para que o candidato confirme o recebimento do email.

Na sequência, será marcada a entrevista virtual, com data e horário, que será uma conversa para conhecer melhor o inscrito. As edições do BBB 20 e BBB 21 bateram recordes mundiais de audiência. Na edição de 2020, a Globo registrou votação histórica —mais de 1,5 bilhão de votos no Paredão que eliminou Felipe Prior conta Manu Gavassi e Mari Gonzalez.

Em 2021, o Paredão que resultou na eliminação de Arthur Picoli contra Camilla de Lucas e Pocah bateu recorde. A votação popular alcançou 3,6 milhões de votos por minuto. No dia 25 de abril, o programa registrou a melhor audiência dominical desde 2009, com a eliminação de Viih Tube e a formação do Paredão com Camilla de Lucas, Arthur e Pocah na berlinda.

Nesta reta final, o programa bateu 31 pontos de audiência e 51% de participação dominical no Rio de Janeiro. Em São Paulo, o reality igualou seu recorde aos domingos com 28 pontos de audiência e 50% de participação.

Dois anos atrás, o reality show da Globo via os números de audiência em queda e a estreia do BBB de 2019 teve a menor média de audiência da história do programa. No ano seguinte, com o confinamento de todos do lado de fora do reality, o BBB teve recordes de audiência na TV.

Mas onde mais cresceu foi na internet —as menções do programa no Twitter cresceram dez vezes em comparação com a edição anterior. Entre janeiro e fevereiro deste ano, 2,8 milhões de usuários diferentes mencionaram o BBB, com 41,4 milhões de publicações sobre o programa, de acordo com dados da plataforma de monitoramento Buzzmonitor.

Na TV, a média de audiência tem sido de 5,5 milhões de pessoas e o pico foi de 8,1 milhões, na Grande São Paulo. Hoje em dia, mesmo que muitos não assistam a um aparelho televisivo, eles acabam consumindo o seu conteúdo, de uma forma ou de outra.

Vale ressaltar que uma comparação direta entre audiência na TV e no Twitter será sempre incompleta porque as dinâmicas dos usuários são diferentes nas duas mídias. Enquanto na TV o espectador é passivo, na internet ele pode interagir com um conteúdo sem deixar rastros para cálculo de audiência, como hashtags ou likes.

Além disso, a métrica mais usada pelo Twitter é o número de menções a determinado assunto, e não o número de usuários, sendo que um mesmo perfil pode publicar a mesma hashtag em diversas postagens diferentes.

Segundo Adriana Amaral, pesquisadora especialista em estudos de fãs e professora da Universidade do Vale do Rio dos Sinos, no Rio Grande do Sul, a maior parte do que está nos memes e nos GIFs vem de séries, filmes e novelas.

O seu ciclo de vida costuma começar no Twitter, depois são replicados, printados e copiados em outras redes sociais. Os memes mais parrudos acabam chegando à televisão, fechando o “ciclo de vida do meme”. “As pessoas brincam que um meme morre quando passa no Fantástico”, diz a professora.

Final do conteúdo
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem