Televisão
Descrição de chapéu humor

Adnet se posiciona sobre denúncias contra Marcius Melhem: 'Todo meu apoio às vítimas'

Advogada das vítimas que acusam ex-diretor da Globo disse que ele agarrava mulheres à força

Marcius Melhen durante coquetel do 2º Premio Abra de roteiro, Cinemateca Brasileira. - Folhapress
Eduardo Ribeiro
São Paulo

Marcius Melhem, ex-diretor da Globo responsável pelo departamento de humor da emissora, foi acusado de assédio sexual no fim do ano passado pela atriz Dani Calabresa. Anteriormente, outras mulheres já haviam procurado a direção para fazer denúncias, sem conhecimento público.

Em agosto, Melhem rompeu seu contrato com a Globo após 17 anos de casa sem maiores explicações sobre as acusações que circulavam na mídia. Neste sábado (24), a colunista Mônica Bergamo, da Folha de S.Paulo, publicou uma entrevista com a advogada criminalista Mayra Cotta, representante das vítimas e testemunhas no processo de compliance, que provocou uma reviravolta no caso.

Insatisfeitas, as atrizes que formalizaram as acusações no departamento de compliance da TV Globo concordaram que a advogada desse a entrevista. Cotta revelou que o diretor trancava, agarrava e tentava beijar mulheres à força.

Após a publicação da reportagem, Melhem disparou uma profusão de posts no Twitter com a sua versão sobre o caso.

​Os humoristas Marcelo Adnet e Gregorio Duvivier prestaram apoio às vítimas nas redes sociais. Adnet, que vinha sendo cobrado na internet para se posicionar desde que o caso emergira, e que chegou a dizer, no programa Roda Viva (TV Cultura), que desconhecia as acusações, publicou em seu Twitter: “Sobre a matéria de Mônica Bergamo na Folha de S.Paulo: todo meu apoio e solidariedade às vítimas!”.

Duvivier compartilhou o link da reportagem com a legenda: “Parabéns a Mônica pela matéria, e toda solidariedade às vítimas.”

O ator José de Abreu também se posicionou: "Marcius Melhem! Tava estranha mesmo sua demissão sem sentido... que coisa horrível."

À coluna, Melhem já havia negado as acusações e disse que colocava à disposição toda comunicação que tem arquivada, com qualquer pessoa que tenha trabalhado ou se relacionado com eles nesses anos. "Estou disposto a reconhecer meus erros, pedir desculpas e, se possível, reparar pessoas que eu tenha de qualquer forma magoado."

"Quero enfrentar isso com verdade e humanidade e me expor se for preciso. Fazer jus a todos esses anos em que pautas como as do feminismo foram abraçadas pelo humor transformador em que eu acredito. Fiz parte de um grupo de homens e mulheres que se orgulha de usar o humor como um instrumento contra o preconceito. Mas mesmo abraçando profissionalmente a causa feminista, ainda combato o machismo dentro de mim, erro, posso ter relações que magoem. Tento melhorar e aprender. E queria muito falar sobre isso."

Já a emissora Globo afirmou, também à coluna, que "não tolera comportamentos abusivos em suas equipes" e que o caso de Melhem foi apurado criteriosamente. "A Globo não comenta assuntos da área de compliance, mas reafirma que todo relato de assédio, moral ou sexual, é apurado criteriosamente assim que a empresa toma conhecimento."

Final do conteúdo

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem