Saiu no NP

Michael Jackson anda para trás no 'NP'

Nesta quarta-feira, 25 de junho de 2014, o mundo da música completa cinco anos sem o "Rei do Pop", Michael Jackson, e por isso, a seção "Saiu no NP" relembra alguns momentos da vida astro, o show no Brasil e as polêmicas que o acompanharam durante toda carreira.

O músico iniciou sua trajetória quando tinha apenas quatro anos, ao lado dos irmãos, no grupo Jackson Five, que se apresentou no Brasil em 1974. O pequeno vocalista e dançarino –o mais talentoso da família– conheceu desde cedo os louros e os percalços da fama.

Após sucessos do quinteto, como "I Want You Back" e "ABC", Michael fez alguns trabalhos em carreira solo, mesmo sem sair oficialmente do grupo de seu pai, lançou discos, mas o topo das paradas só foi alcançado com "Off The Wall" (1979), que tinha as faixas "Rock With You" e "Don't Stop Til You Gett Enough".

Já sozinho, o cantor alcançou o status de mito com o álbum "Thriller" (1982), o mais vendido de todos os tempos –com algo em torno de 100 milhões de cópias. Os hits "Billy Jean" e "Thriller" fizeram com que Michael passasse 80 semanas no top 10 dos EUA (37 em 1º) e conseguisse oito Grammys.

Crédito: Ana Ottoni - 16.out.93/Folhapress
O cantor Michael Jackson, durante show no estádio do Morumbi em 16 de outubro de 1993

Ao longo de sua carreira solo, a estrela acumulou outros sucessos, lançou os relevantes "Bad" (1987) e "Dangerous" (1991) –este último com o impactante videoclipe da música "Black Or White"–, bem aceitos pela crítica e de boas vendagens, mas que nem de longe se aproximaram de "Thriller".

Como nem tudo são flores, em 1993, o ídolo pop foi acusado de pedofilia. O "Notícias Populares" noticiou no dia 27 de agosto: "Denúncia de sexo oral - Menino diz que meteu a boca em Michael". O jornal reproduzia a notícia dada pelo diário americano "Los Angeles Times", que trouxe declarações do garoto Jordy Schwartz, na época com 13 anos, sobre abusos sexuais sofridos por ele.

Com a proximidade da vinda do músico ao Brasil, diariamente o "NP" relembrava as acusações, principalmente pelo fato do cantor viver rodeado de crianças. Em 3 de setembro, foi publicada a seguinte manchete: "As transas proibidas do Michael Jackson!". Na edição, o jornal trouxe detalhes do escândalo.

Nos dias que se sucederam, o "Notícias Populares" reproduziu parte do depoimento do ex-camareiro do astro, Mark Quindoy, dado ao tabloide inglês "News of the World" ("Eu o surpreendi três vezes acariciando com intimidade seus pequenos amigos"), e trouxe revelações feitas pela irmã La Toya –que em um outro momento afirmou ter sido estuprada pelo pai durante a infância– ao britânico "The Sun", nas quais disse que o irmão gostava de ver a outra irmã, Janet, transar com o namorado e cantor James DeBarge.

Sem mais novidades sobre o caso (na época, um acordo milionário foi feito com o pai do menino), o "NP" abordou outros assuntos relacionados ao astro, como em 14 de setembro: "A Vacconna ganha menos que Michael Jackson". A matéria trazia uma lista, liderada pela apresentadora de TV Oprah Winfrey, com os artistas mais bem pagos do mundo. Nela, o "Rei do Pop" era exaltado pela sétima posição, enquanto Madonna –"carinhosamente" chamada de Vaconna pela publicação– ocupava o décimo lugar.


Os shows da turnê do disco "Dangerous" no país estavam marcados para serem realizados nos dias 16 e 17 de outubro no estádio do Morumbi, em SP, mas em 22 de setembro o jornal publicou: "Michael Jackson já está em São Paulo". Na verdade, tratava-se da invasão de sósias do ídolo na cidade (mais de 30), entre eles o mais famoso dos imitadores, Billy Jackson, que também simulou a chegada do músico no Aeroporto Internacional de São Paulo, localizado em Guarulhos.

Nos meses de outubro e novembro estavam marcadas as apresentações de Michael e Madonna, respectivamente, no país, e o "NP" publicou uma suposta briga entre os músicos: "O Michael é uma bicha louca", teria dito a cantora, e, "Madonna é uma vaca que só sabe se vender", teria sido o troco dado pelo cantor.

Finalmente em solo brasileiro, Michael Jackson, que conquistara o mundo com o "moonwalker" – passo de dança em que andava para trás –, chamou a atenção da reportagem pelo aspecto de sua pele, cheia de manchas, resultado de procedimentos de clareamento e também do vitiligo –doença que causa despigmentação.

Durante sua estada em São Paulo, o astro se envolveu em um acidente de trânsito. Na verdade, um dos carros de sua comitiva atropelou o jovem Márcio Alberto de Paula, na época com 15 anos. A vítima, que quebrou a perna, recebeu visita de Michael no hospital, que prometeu arcar com os custos hospitalares e outros, porém, anos depois, a família ainda tentava receber na Justiça alguma indenização.

Finalmente, no dia 17 de outubro de 1993, o "Notícias Populares" trouxe os relatos do primeiro show, realizado no dia anterior. "Fã sangra no show de Michael" foi destaque em uma das páginas internas da edição.

De acordo com a reportagem, 250 pessoas, de tão "excitadas" e "histéricas", passaram mal durante o show, dentre elas uma garota com sangramento vaginal –o real motivo disso não foi revelado. Ainda no mesmo dia, em "Craques vão babando pra cima do Michael Jackson", Cafu, Ronaldo, Catê, Jamelli, Doriva e Valdeir falaram da expectativa de ver o ídolo de perto. "Desde moleque gosto das músicas dele, não poderia perder esta chance", afirmou Valdeir. Mas um representante da ala evangélica do time não perdoou. "É música do diabo!", disse o lateral Ronaldo Luiz, que justificou a manchete dada pelo jornal naquele dia: "Michael Jackson ofende crentes".

Após as apresentações, o "Rei do Pop" foi embora, mas o jornal fez uma reportagem para destacar suas manias: "Michael é o homem mais esquisito do mundo", não trazia novidade alguma, apenas falava sobre o gosto por roupas apertadas, o fato de estar sempre acompanhado por crianças e das transformações que o seu corpo sofreu ao longo do tempo, devido ao vitiligo e às cirurgias plásticas.

No ano seguinte, a estrela pop casou-se com Lisa Marie Presley, a filha de Elvis. O matrimônio, que para muitos não se passava de conveniência, acabou em menos de dois anos. Em 1996, casou-se pela segunda vez, agora com a dermatologista Debbie Rowe. O casamento durou dois anos, mas lhe rendeu dois filhos: Prince Michael Joseph Jackson Jr. e Paris Michael Khaterine Jackson.

Crédito: César Itiberê - 17.out.93/Folhapress
O cantor Michael Jackson durante o show "Dangerous" no estádio do Morumbi, em São Paulo, em 17 de outubro de 93

Nesse período ele ainda lançou o álbum duplo "HIStory: Past, Present and Future, Book I", que trazia seus sucessos e algumas músicas inéditas, como "They Don't Care About Us", que teve cenas de seu clipe gravadas no morro Dona Marta (Rio) e no Pelourinho (Salvador).

Em 2001, definitivamente a carreira do artista mostrava-se em decadência. Seu último disco de inéditas (lançado em vida) "Invincible" pouco vendeu, acusações de abuso sexual infantil apareciam com frequência na mídia, sem contar que a aparência do músico não atraia mais fãs e evidenciava uma saúde fragilizada. O cantor, que chegou a ser preso em 2003, foi absolvido em 2005, por unanimidade, de todas as acusações feitas contra ele.

No ano de 2009, Michael se preparava para uma turnê de 50 shows em Londres (Reino Unido). Era o retorno que muitos fãs esperavam e, quem sabe, a volta por cima do "Rei do Pop", mas as apresentações foram canceladas devido à complexidade do espetáculo, de acordo com seus representantes. O fim do sonho anunciava-se em 25 de junho do mesmo ano, após o astro sofrer uma parada cardíaca em sua mansão e morrer no hospital da Universidade da Califórnia (EUA).

Final do conteúdo

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem

Últimas Notícias