Nerdices

'Assassin's Creed Valhalla' retrata era viking da bebedeira à brutalidade, e chega em novembro

Jogo traz de volta 'hidden blade' que elimina inimigos com único golpe

Jogo 'Assassin's Creed Valhalla', da Ubisoft

Jogo 'Assassin's Creed Valhalla', da Ubisoft Divulgação

São Paulo

A Ubisoft anunciou neste domingo (12), no Ubisoft Forward, a data de lançamento de “Assassin’s Creed Valhalla”, próximo jogo da série Assassin’s Creed. O lançamento global, 100% em português do Brasil, está previsto para 17 de novembro de 2020 para Xbox One, PlayStation 4, PC, Satdia, Xbox Series X e PlayStation 5.

O gameplay inédito apresentado na conferência digital mostrou novos recursos que os jogadores poderão aproveitar sob a pele de Eivor (disponível nas versões feminina e masculina), como empunhadura dupla de armas, invasões, e cenários. A Folha testou o jogo na última semana, e atesta que ele traz de volta funções como a lâmina secreta (“hidden blade”), que elimina inimigos com um único golpe.

Anunciado em abril, “Assassin’s Creed Valhalla” retrata a era viking e as expedições dos povos nórdicos pela Inglaterra, com cenas detalhadas de ambientação, quase sempre cobertas por neblinas, mas que chegam a mostrar cenários icônicos como stonehenge. É possível explorar o mundo aberto viajando a cavalo, navio, ou ainda pela visão de um corvo que acompanha o jogador.

O principal objetivo do jogo é conquistar um espaço para o povoado e, para isso, é preciso recorrer não somente às batalhas, mas também à diplomacia. Ao longo da história, Eivor se depara com áreas de inimigos ilimitados, arqueiros, indivíduos místicos e até um animal lendário. Já os minigames vão de uma batalha de rimas até uma disputa de rapidez na hora da bebedeira.

A ideia da cultura de viking de “viver e morrer com honra” é reforçada o tempo inteiro, especialmente nos diálogos –que permitem múltiplas respostas e, portanto, múltiplos resultados para cada decisão. Para as batalhas, o jogo traz um amplo arsenal de armas –incluindo a inédita “Spinning Death”– e habilidades como o parkour e a “visão de Odin” (para ver inimigos e itens capturáveis), que podem se combinar.

Uma grande novidade é a possibilidade de usar duas armas empunhadas uma em cada mão, criando combinações de machados, adagas, arco e flecha e, claro, escudos. O ataque é feito com a mão direita, mas é possível trocar as armas com um único botão. Tais armas, inclusive, têm diferentes velocidades de movimento, mas não interferem no andar do personagem.

Para convocar seus aliados para uma batalha, basta usar uma espécie de berrante. As guerras, inclusive, têm mais ação e são mais brutais do que as de outros jogos da franquia, e incluem desmembramentos e decapitações. Mas aliados podem ser ressuscitados mesmo ao longo das brigas, e Eivor consegue melhorar sua saúde com frutas e carnes. Apesar do ataque alardeado ser uma das possibilidades mais destacadas do jogo, ainda é possível atacar com furtividade, no "modo stealth", de uma maneira fácil e sem entrar em combate.

Final do conteúdo

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem