Aviso
Este conteúdo é para maiores de 18 anos. Se tem menos de 18 anos, é inapropriado para você. Clique aqui.

Música

Ex-atriz mirim, Júlia Svacinna investe na música e lança single em inglês

Artista acumula filmes e séries e agora planeja lançar seu 1º EP

Júlia Svacinna é uma das estrelas do longa 'Fazendo meu Filme'

Júlia Svacinna é uma das estrelas do longa 'Fazendo meu Filme' Divulgação

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

São Paulo

Aos 17 anos, a atriz Júlia Svacinna soma mais de 20 trabalhos em novelas, séries e filmes, como "O Mecanismo" (Netflix) e "Se eu Fechar os Olhos Agora" (Globo). Mas mesmo com essa carreira sólida na dramaturgia ela tem investido cada vez mais na música e acabou de assinar contrato com a gravadora Warner Chappell.

"Entrar para a Warner Chappell como compositora é um grande passo, uma realização pessoal. Isso permite que minha arte chegue a mais pessoas, no momento estou com muitos projetos para o futuro, mas tudo em fase de planejamento. A única coisa que posso dizer é: se preparem", diz Júlia, que compõe e canta as próprias músicas.

Júlia, que se inspira em nos cantores Taylor Swift e Ed Sheeran, conta que escreve músicas desde os 12 anos e tem mais de 30 composições prontas, inclusive em inglês. "Eu escrevo muito em inglês, o meu contato com a música quando era mais jovem era em inglês", diz a cantora, que pretende lançar seu primeiro álbum no segundo semestre deste ano, mas com músicas apenas em português.

No dia 9 de março, Júlia lançou em seu canal no YouTube o clipe de seu novo single, "Everyday", dirigido pelo cineasta Pedro Antônio Paes, que se tornou um grande amigo após dirigir a atriz em filmes como "Um Tio Quase Perfeito" (2021) e "Fazendo Meu Filme" —ainda sem data de estreia. "O Pedro conseguiu traduzir 100% do que eu sentia com ‘Everyday’ para as imagens. Foi maravilhoso e está incrível."

No videoclipe, a cantora aparece tocando ao piano a canção, que foi escrita durante a pandemia de Covid. Ela diz que a música reflete o sentimento que passou a ter de que é preciso viver o dia de hoje porque ninguém sabe quando as coisas vão mudar.

"O clipe retrata muito bem essa ideia de repetição, de cheios e vazios que fazem parte das sensações que sentimos não só na pandemia, mas na vida. Gravamos em um único dia, foi muito intenso por sinal, mas me diverti muito. Em alguns momentos ficava parada sem acreditar que tudo aquilo estava acontecendo."

Antes disso, a cantora lançou, em novembro do ano passado, a música "Era Você", que compôs inspirada na história de uma amiga que havia brigado com o garoto que gostava. Júlia conta que a amiga chegou na sua casa chorando, ela pegou o violão e pediu para ela falar o que estava sentindo para transformar em música. "Ela super adorou. Agora toda vez que ela está mal me liga e fala: 'Julinha vamos fazer uma música’", diz rindo.

O clipe da música é um compilado de vídeos de um casal, interpretado por Júlia e seu melhor amigo Rafael Aquino. Ele foi gravado com o celular da própria cantora e dirigido pela atriz com orientação de Paes. Segundo ela, a ideia para o videoclipe surgiu a partir de um hábito dela de juntar vários vídeos e postar nas redes sociais criando um enredo. "Para o videoclipe a gente foi gravando em vários dias, em muitos lugares e sem compromisso."

Júlia também poderá ser vista neste ano nas telonas no longa "Fazendo Meu Filme", uma adaptação do livro de Paula Pimenta e dirigido por Paes. No filme, ainda sem data de estreia, a atriz interpreta Natália, uma das melhores amigas da protagonista Fani (Bela Fernandes), que vai fazer intercâmbio na Inglaterra.

A atriz diz que não sabia o que falar quando recebeu o convite para interpretar a personagem. Ela tinha lido o livro de Paula Pimenta aos oito anos e naquela época já achou a personagem muito parecida com ela. "Eu fiquei extremamente feliz com essa oportunidade, eu já gostava da Natália antes, mas depois de vivê-la e, consequentemente, conhecê-la melhor, ela virou uma das minhas personagens favoritas da vida."

Júlia lembra que não foi fácil gravar o filme em meio à pandemia de Covid –entre agosto e setembro do ano passado– e o elenco teve que fazer muitos testes. Mesmo assim, ela afirma que foi incrível fazer parte do projeto e que o entrosamento do elenco foi maravilhoso.

"Devo ser sincera que estava preocupada do elenco não se dar bem, mas foi tão incrível que parecia que nos conhecíamos desde sempre. Foi um período muito intenso de nossas vidas e acredito que os laços criados ali vão ser levados para sempre. Nos divertimos muito nos bastidores e acho que essa conexão foi extremamente importante para o filme."

Nascida no Rio de Janeiro, Júlia chamava atenção de todos desde criança, inclusive de agentes que faziam convites para a mãe levá-la na agência de modelos para fazer comerciais. Depois de muita insistência, a mãe da atriz acabou cedendo e ela fez seu primeiro comercial com apenas 3 anos, para a Natura.

Aos seis, Julia começou as aulas de teatro, aconselhada por uma psicóloga, para ajudar a vencer a timidez e a introversão. Ela diz que foi amor à primeira vista e sua estreia em novela aconteceu um ano depois em "Guerra dos Sexos'' (Globo). Depois vieram vários trabalhos como atriz, entre eles "Por isso sou Vingativa" (Multishow), "Questão de Família" (GNT), "Império" (Globo) e as séries "A Cara do Pai’ (Globo) e "Mecanismo" (Netflix).

Paralelo à carreira de atriz, ela fez aulas de canto ainda na infância e participou de musicais, como "802 Uma Turma do Barulho" e "Broadway Baby". Mas foi somente em 2019 que Júlia lançar suas primeiras músicas autorais. "Eu sou muito apaixonada por compor, porque é a maneira como eu consigo entender melhor os meus sentimentos."

Final do conteúdo
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem