Música

Dupla Carol e Vitória faz sucesso com canções feministas e papos sobre relacionamento abusivo

Dupla tem música na trilha sonora da novela 'As Aventuras de Poliana'

A dupla Carol & Vitória
A dupla Carol & Vitória tem mais de 3 milhões de acessos no clipe "Jura Juradinho" - Divulgação

Fabiana Schiavon
São Paulo

As irmãs Carol e Vitória têm apenas 17 e 18 anos, respectivamente, mas já têm propriedade para falar sobre romances e relacionamentos abusivos. Foi com esse tema que elas escreveram canções autorais, como "Jura Juradinho", e que fez a dupla alcançar mais de 3,7 milhões visualizações no YouTube em cerca de dois meses.

A canção conta uma história baseada em fatos vividos pelas irmãs, como um relacionamento opressor. "Tive um namorado que parecia ser muito legal no começo, mas ele começou falando que eu não poderia usar batom vermelho ou roupa curta", conta Vitória.

A dupla de Florianópolis, Santa Catarina, ainda tem a música "Mais que um Verão" na trilha sonora da novela "As Aventuras de Poliana" (SBT) e criaram o programa Tudo Acaba em Música, no YouTube. No canal, elas entrevistam e cantam com outros nomes da música jovem. O próximo passo é o lançamento de um EP e mais videoclipes. 

F5 - Como foram descobertas?
Carol -
 A Vitória fez um canal cantando covers e rapidamente chegou a cem mil inscritos. Começamos, então, a gravar versões de músicas juntas e percebemos que os acessos aumentavam cada vez mais, e o pessoal ainda nos elogiava. O retorno era mais legal. Cada vez mais nós fomos publicando vídeos juntas até que disseram que deveríamos formar uma dupla. 

Vitória - Em abril do ano passado, nós mudamos o nome do canal para Carol & Vitória e um pouco mais de um ano depois, já passamos dos 4 milhões de inscritos. Além das músicas, a gente começou a bater papo sobre questões e situações que denegriam a mulher e surgiram canções autorais com essa temática. 

Por que escolheram ‘Jura Juradinho’ como primeiro single da dupla?
Carol - Essa música foi composta por amigos. Gostamos muito dela e pedimos para gravar. Mas quando chegou a hora de fazer o videoclipe, eles pensaram naquela coisa mais clichê de amor romântico de casal. Mas a gente queria abordar o amor de uma maneira diferente. Não existe só amor de namorado, existe o de mãe, de pai, de irmãs, como o nosso. 

Vitória - Na verdade, essas são as únicas pessoas que conseguem nos jurar amor eterno, não é? Porque o seu namorado não vai poder fazer isso! O vídeo da música é inspirado em uma história que eu passei. Tive um namorado que parecia ser muito legal no começo, mas ele começou falando que eu não poderia usar batom vermelho ou roupa curta. Depois achava ruim que seguisse homens nas redes sociais, até que chegou a um ponto que ele me sacudiu e me jogou na parede. Quando tudo isso passa, você vê quem são as pessoas que sempre estarão ao seu lado, como a minha irmã.

Vocês não são jovens demais para ter passado por um relacionamento abusivo?
Carol - Quando a gente fala esse termo dá impressão que se trata só de violência física, mas é muito comum a agressão psicológica em que a pessoa fala coisas que valem como um tapa na cara. Nós duas já passamos por isso, e acho importante conversarmos sobre isso, porque é difícil para a pessoa detectar que ela está em um relacionamento abusivo. Às vezes só quem está de fora percebe. 

Vitória - É importante a gente expor histórias para que as pessoas se identifiquem e sirva de alerta. Algumas de nossas seguidoras compartilham histórias e a gente replica anonimamente.

Após o sucesso da primeira música, quais são os próximos passos da dupla?
Carol - Como já temos um bom público no YouTube, a ideia é crescer nas plataformas digitais também. Vamos lançar mais músicas, todas com videoclipes, para depois reuni-las em um EP. A ideia é que toda a canção fale de amor e que tenha um vídeo com uma história bem contada, com mensagens que desejávamos passar para os meninos e meninas que nos seguem

E o que vocês gostam de ouvir?
Carol - É bem difícil definir nosso estilo, porque ouvimos de tudo. Nossas próximas músicas vão passar por outros ritmos que gostamos, como o funk, o pagode e o rap. A cantora de que mais gostamos é Anitta até pelo encaminhamento que ela deu a carreira dela, por suas conquistar internacionais. 

Final do conteúdo

Últimas Notícias

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem