Música

Chico Teixeira lança disco em que resgata sertanejo raiz, com participação do pai, Renato, e Sérgio Reis

'Acho que levei mais de 30 anos para chegar a esse formato'

O cantor e compositor Chico Teixeira
O cantor e compositor Chico Teixeira - Divulgação
Descrição de chapéu Agora
Leonardo Volpato
São Paulo

O cantor sertanejo Chico Teixeira acaba de lançar seu quarto álbum da carreira, "Raízes Sertanejas: Ao Vivo", em que faz um resgate de obras lendárias e cantadas por mestres do cancioneiro popular. O disco também conta com as participações de seu pai, Renato Teixeira, e de Sérgio Reis, amigo de longa data.

Composto por dez faixas, o CD foi registrado no palco do Auditório Ibirapuera. O áudio das canções segue um formato mais orgânico para valorizar as melodias. "Acho que levei mais de 30 anos para chegar a esse formato. O disco representa a minha visão sobre o universo do interior. E não é só geográfico, mas também o interior da gente mesmo, nossas raízes e tradições", destaca.

O disco conta com músicas como “Boiadeiro Errante” (Teddy Vieira, 1922-1965), “Aprendendo a Viver” (Renato Teixeira), “Ventania” (Geraldo Vandré), “Eu Apenas Queria que Você Soubesse” (Gonzaguinha, 1945-1991), e “Laranja Madura” (Ataulfo Alves, 1909-1969). E com a autoral “Chama da Floresta”.

"Elas fazem parte de minha memória também. Tenho uma ligação extremamente emocional com todas, escolhi cantar as faixas que pudessem me preencher. Sou um disseminador da música, preservando e movimentando as tradições populares."

 

A partir de agora, o artista planeja shows, mas ainda não tem datas marcadas. "Cantar ao lado do meu pai é especial. Somos parceiros e, para celebrar este momento bonito, faremos uma série de apresentações. O Sérgio é um outro artista muito importante nessa história toda."

Todo orgulhoso do trabalho do filho, o cantor Renato Teixeira afirma que não precisa passar o seu conhecimento a ele. Muito pelo contrário, às vezes é Chico Teixeira quem dá pitacos no trabalho dele. “Não ensino nada, ele é antenado, tem um controle do que precisa saber para fazer um bom disco. Essas coisas nascem com a pessoa”, diz Renato.

De acordo com ele, pai e filho já perderam as contas de quantas vezes gravaram juntos, e o resultado do disco “Raízes Sertanejas: Ao Vivo” ficou excelente. "É um disco de padrão coerente com os tempos modernos. Esse tipo de música que Chico faz –e isso é uma coisa que sempre digo a ele– é música de qualidade, é música feita com inspiração. Esse disco é aquele que fica para sempre”, afirma o pai.

Agora
Final do conteúdo

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem

Últimas Notícias