Estilo
Descrição de chapéu Tóquio 2020

Marca de Kim Kardashian vai vestir atletas dos EUA na Olimpíada de Tóquio

Skims fornecerá roupas íntimas e trajes de banho para delegação feminina

Kim Kardashian
Kim Kardashian - Angela Weiss -6.fev.2019/AFP
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

São Paulo

A marca de roupas de Kim Kardashian, a Skims, vai fornecer as roupas íntimas, pijamas e trajes de banho para as equipes femininas dos Estados Unidos nos Jogos Olímpicos e Paraolímpicos de Tóquio. O anúncio foi feito pela empresária e influenciadora na segunda (28).

Ela afirmou, por meio do Instagram, que durante a infância sempre acompanhou todos os detalhes sobre o evento por Caitlyn Jenner, que era casada com a sua mãe, Kris Jenner, e ganhou a medalha de ouro no decatlo nas Olimpíadas de 1976, disputada em Montreal.

"Quando recebi a ligação convidando a Skims para fazer parte do @TeamUSA, cada momento que passei admirando a força e a energia dos atletas olímpicos do lado de fora se completou", escreveu.

Kim compartilhou imagens de membros da delegação americana usando a marca como a atleta paraolímpica Scout Bassett e a jogadora de basquete A'ja Wilson. Segundo a CNN dos EUA, a coleção estará disponível para venda em uma edição limitada a partir de meados de julho.

"Estamos muito orgulhosos de apoiar as atletas femininas durante os Jogos Olímpicos e Paraolímpicos de Tóquio. Essas mulheres são modelos incríveis para as meninas mais novas, incluindo minhas próprias filhas, mostrando a elas que tudo é possível se você trabalhar duro o suficiente", disse Kardashian West.

Kardahian falou que a Skims foi projetada para capacitar as mulheres a se sentirem melhor todos os dias e está entusiasmada em trabalhar com a equipe dos EUA para ajudar a espalhar essa mensagem. A marca oferece uma variedade de tamanhos e cores de tons de pele para seus produtos.

Kardashian disse ter sido inspirada em sua própria luta por não ser capaz de encontrar um shapewear confortável adequado para seu corpo no passado.

Em linha com essa mensagem, a Scout Bassett, velocista paralímpica e saltadora em comprimento, é uma das atletas femininas do ensaio promocional. “A colaboração é representativa do foco afiado da Skims no ajuste e no compromisso de criar produtos para cada corpo”, disse Skims em comunicado à imprensa.

Atleta paraolímpica Scout Bassett
Atleta paraolímpica Scout Bassett - NYT

Em 2019, a marca de Kim Kardashian gerou polêmica no Japão, que recebe os Jogos Olímpicos, por causa do primeiro nome escolhido, Kimono —o termo foi usado por ela como um jogo de palavras com seu nome, e rapidamente foi ligado à tradicional roupa japonesa.

Internautas acusaram Kim de apropriação cultural nas redes sociais. O prefeito de Kyoto, Daisaku Kadokawa, chegou a escrever uma carta aberta, pedindo que ela reconsiderasse a decisão. “O kimono é um traje étnico tradicional criado pela riqueza de nossa história e nossa natureza. Estamos preocupados que uma má interpretação do kimono se espalhe, porque a sra. Kardashian é uma poderosa influenciadora”.

“Quando anunciei o nome da minha linha de roupas modeladoras, fiz isso com as melhores intenções. Minhas marcas e produtos são construídos com inclusão e diversidade em sua essência”, afirmou Kim na ocasião. Após as críticas, ela anunciou a mudança do nome da marca para Skims.

Velocista norte-americana Dalilah Muhammad
Velocista norte-americana Dalilah Muhammad - NYT
Final do conteúdo
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem