Aviso
Este conteúdo é para maiores de 18 anos. Se tem menos de 18 anos, é inapropriado para você. Clique aqui.

Tony Goes

Fracassa a tentativa de boicote ao restaurante de Paola Carosella

Movimento convocado pelas redes sociais não afetou a frequência do Arturito

Paola Carosella
Paola Carosella - Julia Rodrigues - mar.22/ UOL
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Paola Carosella já era bastante conhecida no meio gastronômico paulistano antes de estrear como jurada no MasterChef Brasil, em 2013. Sua desenvoltura em frente às câmeras a transformou numa celebridade nacional, e logo ela já estava estrelando dezenas de campanhas publicitárias.

A chef nascida na Argentina e naturalizada brasileira deixou o programa em 2021, mas se manteve em evidência. É convidada frequente de talk shows e podcasts, e nunca se furta de expressar suas opiniões políticas. Por isto mesmo, é frequentemente atacada nas redes sociais por quem discorda dela.

O mais violento desses ataques aconteceu esta semana. Na segunda-feira (23), em entrevista ao podcast "DiaCast", Paola disse que "é muito difícil se relacionar com quem apoia Bolsonaro, por dois motivos: ou porque é um escroto, ou é burro".

Claro que os bolsonaristas, sempre dispostos a xingar seus desafetos, se sentiram ofendidos, e foram às redes sociais liberar sua fúria. Pela enésima vez, acusaram a chef de ser uma reles estrangeira, portanto sem lugar de fala para dar palpite na política brasileira, e a incentivaram a voltar à sua "Argentina socialista".

Esqueceram-se de que, ao contrário de muitos de nós que nasceram aqui, Paola escolheu viver no Brasil. No lugar dela, sinceramente, não sei se eu faria a mesma escolha.

As ofensas logo foram suplantadas por uma campanha pelo boicote ao restaurante paulistano Arturito, do qual Paola é sócia, e até à cerveja Eisenbahn, para a qual a chef já fez propaganda.

Confiantes no poder da internet, os apoiadores do presidente ainda derrubaram para 1,6 a avaliação do Arturito no Google. Uma internauta, que evidentemente nunca esteve lá, escreveu que encontrou uma mosca boiando em sua comida.

Só que, para variar, o tiro saiu pela culatra. Segundo reportagem publicada pelo UOL, às 12h40 esta terça (24) a fila para se conseguir mesa no Arturito chegava a durar 40 minutos, e o restaurante está com reservas esgotadas até domingo (29).

É impossível dizer se a ameaça de boicote gerou uma reação contrária: uma onda de solidariedade a Paola Carosella, que é de fato muito querida por seus seguidores. O mais provável é que o Arturito tivesse essa procura toda com ou sem boicote, pois oferece uma cozinha bastante interessante sem cobrar um olho por cada prato.

Mas isto calou a boca dos bolsonaristas? Claro que não. Neste momento, as redes sociais estão cheias de fotos da fachada do Arturito sem nenhum cliente entrando ou saindo, acompanhadas pela legenda "24 de maio de 2022". Só que não há nenhuma prova de que estas imagens realmente foram clicadas no dia 24, nem a que horas. Mas, para quem quer acreditar em fake news, isto basta.

Muito se fala do poder colossal do bolsonarismo na internet, e de como ele foi decisivo nas eleições presidenciais de 2018. Mas este poder não é absoluto, e vem esbarrando cada vez em obstáculos do mundo real. Além do mais, depois de quase quatro anos de um governo desastroso, só os mais fanáticos ainda defendem o presidente com unhas e dentes –e, felizmente, eles não são em número suficiente nem mesmo para fechar um restaurante de sucesso.

Tony Goes

Tony Goes tem 60 anos. Nasceu no Rio de Janeiro, mas vive em São Paulo desde pequeno. Já escreveu para várias séries de humor e programas de variedades, além de alguns longas-metragens. E atualiza diariamente o blog que leva seu nome: tonygoes.com.br

Final do conteúdo
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem