Colo de Mãe
Descrição de chapéu Agora

Na pandemia, o livro é alternativa ao celular

A leitura nos une, nos leva a muitos lugares, pode ir conosco a tantos outros e muda vidas

Fotolia

A pandemia de coronavírus nos impôs uma nova rotina familiar, com isolamento social forçado, convívio em um mesmo espaço por 24 horas seguidas e, a mais dura das realidades: o contato excessivo com a tecnologia.

Não sou daquelas pessoas avessa às redes, até gosto muito delas, como ferramenta de conexão, mas o uso excessivo de celular, computador, tablet e TV me preocupa. A mim e a muitos mães e pais.

Em casa, sem acesso aos locais de lazer como ocorria antigamente (e mesmo o que está reabrindo ainda não é seguro e não há normalidade), as crianças estão cada vez mais ligadas no “fantástico” mundo da internet.

Eu tentei de tudo para não deixar minhas duas filhas, Laura, 8 anos, e Luiza, 13, tanto tempo no celular e no computador, mas as aulas exigem. Além das quatro horas diárias de estudos com os professores, há ainda as lições de casa, passadas em plataformas virtuais.

Para tentar conter este avanço em casa, tenho usado uma “ferramenta revolucionária”, que nos leva a muitos lugares, pode ir conosco a tantos outros, tem um cheiro peculiar e muda vidas: o livro! Quando digo a elas que vou usar uma “tecnologia” que nunca sai de moda e não falha mesmo se o wi-fi cair elas riem, já sabem que vou falar do livro.

Ele nos une. Sempre nos uniu e, na pandemia, não podia ser diferente. Revisitamos as nossas histórias preferidas nos últimos meses trancafiadas em casa. Fomos ao castelo de Hogwarts, da série Harry Potter, algumas vezes.

Estivemos no Paquistão e no Afeganistão, visitamos a Lua, que é cor de Flicts, segundo Ziraldo, plantamos uma árvore de dinheiro, participamos de uma festa no céu, estamos mergulhando aos poucos nas “mil léguas submarinas”, e já repetimos baixinho, de madrugada, à noite, à tarde, vendo o pôr do sol poemas de todos os tipos. Sobre a casa, o pato, a porta, o vestido de Laura e a roupa do rei.

São tantos livros e tantas aventuras que nos perdemos em meio a eles, e os livros se perdem pelos cômodos da casa, o que também nos une. Desde que comecei a montar minha biblioteca particular sempre sofri com uma certa desorganização.

Corro para procurar meu “George Orwell” e, no meio do caminho, deparo-me com Cecília Meirelles, que virou minha companheira da madrugada. Insone, mergulho diariamente em seus escritos.

E minhas filhas têm criado o mesmo hábito. “Onde é que foi parar o livro que a tia Carol me deu?”, pergunta Luiza. “Não importa, vou pegar qualquer outro aqui”, diz ela.

Laura os coleciona e os separa por autores, gênero, tipo de desenho e até por sentimentos dos quais tratam. Nesta pandemia, em que estamos tão insuportavelmente juntas, essa paixão (que hoje concorre com o celular), passa de mãe para filhas e tem nos unido em tudo.

E, mesmo com minhas meninas crescendo, lendo semanalmente sozinhas “O Menino Maluquinho”, pois também herdaram de mim a mania de ler e reler a mesma obra, eu não perdi o hábito de ler para elas.

Vou de aventuras mágicas a histórias políticas. Passeio por crônicas de sentimentos humanos. O livro nos une, diverte e faz aguentar firme os tempos de coronavírus.

Em tempo: o programa "Leia para uma Criança", do Itaú Social, está completando dez anos. Os livros podem ser solicitados gratuitamente aqui.

Agora

Colo de Mãe

Cristiane Gercina, 41, é mãe de Luiza, 13, e Laura, 8. É apaixonada pelas filhas e por literatura. Graduada e pós-graduada pela Unesp, é coordenadora-assistente de Grana do jornal Agora, empresa do Grupo Folha. Quer ver o desenho do seu filho publicado na coluna? Envie-o para o e-mail colodemae@grupofolha.com.br com nome completo e idade da criança, nome e celular do responsável.

Final do conteúdo

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem