Biblioteca da Vivi

O que a quarentena desperta em cada um de nós

Questões sufocadas vêm à tona quando temos que conviver com nós mesmos

Livro "Acenda Sua Luz"
Livro "Acenda Sua Luz" - Diulgação
São Paulo

Quando esta coluna for publicada, serão completados 28 dias que estou trabalhando de casa. Sozinha. Com meus dois gatos, Ulisses e Agatha Christie. E não pense que é fácil. Enquanto algumas funções foram suspensas, a rotina do jornalista e de muita gente aumentou muito com a pandemia. Mas não reclamo.

Fato é que na primeira semana você começa a ler os livros que gostaria, ver filmes, e vai jogando para baixo do tapete todas aquelas questões que tem consigo mesma e não quer remexer. Chega a segunda semana e os questionamentos começam a aflorar, por mais que você empurre a cabeça dos monstros para dentro do armário.

Chega uma hora, então, em que você tem de tomar uma atitude: vou lamentar ou vou olhar para a frente? Por mais que o cenário iminente não seja dos mais animadores, somos sós que vamos reconstruir o novo mundo. Os que estivermos vivos, claro. Preocupada com essas e tantas minhas questões, minha querida irmã Giulia me mandou pelo correio um livro chamado “Acenda Sua Luz” (R$ 54, 256 págs., Miguilim).

Foi bem depois de uma briga que tivemos, iniciada por eu não estar cuidado bem de mim. Pois bem, o livro da autora Carol Rache mostra que, independentemente do que esteja acontecendo ao seu redor, a transformação tem que vir de dentro de você.

E a estrutura da obra ajuda a adentrar um tema bem difícil para nós: entender o que está errado e modificar hábitos e padrões. Afinal, o que seria a vida senão uma eterna transformação? Esta é a única certeza que temos e, por isso, temos que estar com as rédeas nas mãos. Ou morrer tentando. Eu ri agora. Mas foi de nervoso.

Pois bem, voltando à distribuição dos capítulos: o livro começa instigando o leitor a confiar em si, a questionar e a assumir a responsabilidade de transformar desde as pequenas coisas do mundo. Aos poucos, a autora entrelaça esse pensamento com a ideia de que transformar está ligada com a própria essência de cada um.

Uma das perguntas-chave, daquelas que eu me fiz lá no início do texto, é “Como me coloquei nessa situação?”. Parece pouco, mas pensar sobre isso nos ajuda a tomar atitudes de acordo com aquilo que esperamos ser um dia.

MAIS VENDIDOS

FICÇÃO
1 "A Princesa Salva a si Mesma Neste Livro", de Amanda Lovelace (Casa dos Mundos)
2 "Box - Edgar Allan Poe", de Edgar Allan Poe (Pandorga)
3 "A Bruxa Não Vai para a Fogueira Neste Livro", de Casa da Palavra (Amanda Lovelace)
4 "A Garota do Lago", de Charlie Donlea (Faro)
5 "Drácula - Edição de Luxo", de Bram Stocker (Pandorga)

NÃO FICÇÃO
1 "Box - O Essencial da Psicologia", de Sigmund Freud (Aeroplano)
2 "Sapiens", de Yuval Noah Harari (Publibook)
3 "Box - A Segunda Guerra Mundial - 3 Volumes", de Martin Gilbert (Casa da Palavra)
4 "Por que Fazemos o que Fazemos?", de Mario Sergio Cortella (Planeta)
5 "Box - O Essencial da Política - 3 Volumes", de Platão (Aeroplano)

AUTOAJUDA
1 "Como Fazer Amigos e Influenciar Pessoas", de Dale Carnegie (Companhia Editora Nacional)
2 "Como Fazer Amigos e Influenciar Pessoas - versão bolso", de Dale Carnegie (Companhia Editora Nacional)
3 "Mais Esperto Que o Diabo - O Mistério Revelado da Liberdade e do Sucesso", de Napoleon Hill (CDG)
4 "Ansiedade", de Augusto Cury (Saraiva)
5 "Minutos de Sabedoria", de Carlos Torres Pastorino (Vozes)

Fonte: Livrarias Saraiva (de 30.mar. a 5.abr.2020)

Biblioteca da Vivi

Vivian Masutti, 34, é jornalista formada pela Cásper Líbero e bacharel em letras (português e francês) pela USP (Universidade de São Paulo), onde também cursou a Faculdade de Educação e obteve licenciatura plena em língua portuguesa. No Agora, é coordenadora da Primeira Página.

Final do conteúdo

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem