Biblioteca da Vivi

Época de Natal evoca melhores momentos entre irmãos proporcionados por Agatha Christie

Um dos meus primeiros livros da Agatha foi 'O Misterioso Caso de Styles'

A escritoras inglesa Agatha Christie (1891-1976)
A escritoras inglesa Agatha Christie (1891-1976) - Popperfoto/Getty Images

Como tantos hábitos passados de pai para filho, o da leitura é tradicional na minha família. Eu gosto bastante de literatura francesa em geral, minha irmã, Giulia, é grande fã de Erico Veríssimo (1905-1975), e meu irmão, Victor, prefere Nelson Rodrigues (1912-1980).

Mas um gosto que nós três temos em comum é pelos romances policiais da escritora inglesa Agatha Christie (1890-1976). Inclusive, quando adotamos juntos uma gatinha preta, demos a ela o nome da autora, como uma homenagem (muito embora “Gato Preto” seja um conto célebre de outro escritor, o americano Edgar Allan Poe; 1809-1849).

Um dos meus primeiros livros da Agatha foi “O Misterioso Caso de Styles” (R$ 44,90, 288 págs.), hoje disponível em edição bem acabada com uma tradução muito melhor da GloboLivros. Para quem não conhece, trata-se do romance de estreia da autora e conta com alguns dos elementos que a tornariam famosa. 

No livro, todo o mistério começa quando uma aristocrata inglesa morre trancada em seu quarto, em uma isolada casa de campo na cidade de Styles. E então? Morte natural ou envenenamento?

Cheia de reviravoltas e personagens de caráter dúbio, a trama apresenta ao leitor o excêntrico detetive belga Hercule Poirot, que protagoniza a maior parte dos títulos posteriores de Agatha. O final da saga, que havia sido alterado pelo primeiro editor, aparece no original nesta versão.

Mas foi mesmo com “E Não Sobrou Nenhum” (R$ 44,90, 400 págs., GloboLivros) que nós três mais nos divertimos, apontando possíveis culpados e apostando quem descobriria o assassino antes. No enredo, um grupo de pessoas é convidado a passar uma temporada em uma ilha misteriosa. 

Nenhuma delas sabe ao certo por que está ali e os questionamentos ficam ainda maiores e mais intrincados quando elas começam a serem assassinadas uma a uma. 

O romance é apontado como o mais importante de Agatha e considerado o maior romance policial de todos os tempos. Se a literatura confere valor à vida e vice-versa, neste Natal desejo que os livros continuem proporcionando ótimos momentos entre família e amigos. No meu caso, meus irmãos são meus melhores amigos. 

ESPÍRITO NATALINO DURANTE O ANO TODO​

Um dos destaques de 2018, que continua em alta, o livro “Luisa Mell: Como os Animais Salvaram Minha Vida” (R$ 39,90, 224 págs., GloboLivros) é um bom presente de Natal. Nele, a ativista (que desempenhou papel importante recentemente no resgate dos pit bulls de uma rinha clandestina no Grande ABC), narra histórias de militância, mas também detalha dificuldades da vida pessoal e a opção pelo veganismo. 
O fio condutor fala sobre como ajudar os animais acabou por curar a própria apresentadora. 

Os mais vendidos

FICÇÃO
1    “A Garota do Lago”, de Charlie Donlea (Faro)
2    “Eleanor & Park - Slim”, de Rainbow Rowell (Novo Século)
3    “Box - o Essencial Sherlock Holmes - 3 Vol.”, de Arthur Conan Doyle (Aeroplano)
4    “Box - Edgar Allan Poe - Histórias Extraordinárias - 3 Volumes”, de Edgar Allan Poe (Pandorga)
5    “Mulheres Empilhadas”, de Patrícia Melo (Casa da Palavra)

NÃO FICÇÃO
1    “Escravidão Vol. 1”, de Laurentino Gomes (Globo)
2    “Mindset”, de Carol Dweck (Objetiva)
3    “Mulheres que Correm os com Lobos”, de Clarissa Pinkola Estes (Rocco)
4    “21 Lições para o Século 21”, de Yuval Noah Harari (Cia. das Letras)
5    “A Arte da Sabedoria”, de Baltasar Gracián (Faro)

AUTOAJUDA
1    “Como Fazer Amigos e Influenciar Pessoas - Versão de Bolso”, de Dale Carnegie (Companhia Editora Nacional)
2    “Como Fazer Amigos e Influenciar Pessoas”, de Dale Carnegie (Companhia Editora Nacional)
3    “Ansiedade”, de Augusto Cury (Saraiva) 
4    “A Sutil Arte de Ligar o Foda-Se”, de Mark Manson (Intrínseca)
5    “Minutos de Sabedoria (Simples)”, de Carlos Torres Pastorino (Vozes)

Biblioteca da Vivi

Vivian Masutti, 34, é jornalista formada pela Cásper Líbero e bacharel em letras (português e francês) pela USP (Universidade de São Paulo), onde também cursou a Faculdade de Educação e obteve licenciatura plena em língua portuguesa. No Agora, é coordenadora da Primeira Página.

Final do conteúdo

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem