Andrew Rannells Instagram/andrewrannells

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Daniel Jones
The New York Times

Em um ensaio que publicou em 2017 na seção Modern Love do New York Times, o escritor, ator e diretor Andrew Rannells relata um encontro que terminou tragicamente quando ele descobriu que seu pai havia sofrido um colapso e estava em coma. O título do ensaio era “durante uma noite de sexo casual, mensagens urgentes passaram sem resposta”. O pai de Rannells morreu poucos dias mais tarde.

Miya Lee e eu recentemente conversamos com quatro escritores cujos ensaios inspiraram episódios na segunda temporada da série “Modern Love”, na Amazon Prime Video. Abaixo, leia minha conversa com Rannells, que dirigiu o episódio baseado em seu texto. A entrevista foi editada.

Você dirigiu o episódio baseado no seu texto, um ensaio que você escreveu para Modern Love e conta sobre a morte de seu pai quando você tinha 22 anos. O que você estava tentando capturar com a história?
Bem, foi um acontecimento inesperado e traumático que veio em um momento inesperado quando eu estava com uma pessoa completamente inesperada, e é assim que a vida funciona às vezes.

Eu tinha ido a um primeiro encontro com um cara que eu não conhecia bem. Não sabia se gostava muito dele, mas eu só tinha 22 anos e queria namorar. Terminei fazendo sexo com ele e, assim que acabamos, olhei meu celular e encontrei um monte de mensagens da minha família informando que meu pai estava em coma, tinha sofrido um ataque cardíaco e estava para morrer.

Tive de absorver todas essas informações na companhia de um desconhecido. E isso colocou muita coisa em perspectiva sobre o que eu queria, sobre com quem eu gostaria de passar meu tempo e sobre confiar em meus instintos. Se você se apanha dizendo a você mesmo que ‘eu não quero muito fazer sexo com esse cara’, talvez o certo seja não fazer.

E sim, fiquei em pânico e perturbado naquela noite e não tratei muito bem o cara com quem saí. O episódio foi uma oportunidade de imaginar qual foi a reação dele àquela noite.

Foi seu primeiro trabalho como diretor. Você em algum momento chegou a pensar que não fazia ideia do que estava fazendo?
Sim, com certeza houve momentos assim. Nós estávamos com tudo preparado para gravar em março de 2020, o que obviamente não aconteceu porque tudo fechou. Por isso, tive um tempo realmente absurdo para preparação e quando setembro chegou, eu estava muito pronto. Além disso, pude escalar alguns amigos e por isso sabia que, se as coisas começassem a desandar, eu só teria de olhar para eles e dizer: ‘Façam alguma coisa, consertem isso!’

As pessoas talvez não percebam que a temporada toda foi gravada durante a pandemia, o que significava toda espécie de restrições e preocupações –máscaras, protocolos, exames.
E escudos, óculos protetores.

Tenho certeza de que tudo isso tornou dirigir e atuar no episódio mais difícil, mas também criou oportunidades inesperadas.
Acho que a maior foi que, em lugar de gravarmos em Manhattan, trabalhamos em Schenectady, Nova York, porque era mais fácil controlar o ambiente lá. Todo mundo precisava estar em Schenectady de quarentena nos hotéis; passamos mais tempo lá do que teria sido o caso se o episódio tivesse sido gravado em Nova York. Ficamos todos juntos por cerca de dez dias e mais o tempo de quarentena.

Boa parte do elenco era de atores de teatro e por isso a sensação era a de uma produção de verão –todo mundo fazia as refeições em grupo e isso tudo nos aproximou muito, e bem rápido.

Qual foi seu momento mais difícil durante a semana?
A resposta vai parecer bem irritante, mas a experiência foi uma completa alegria o tempo todo. Estávamos todos tão felizes por podermos trabalhar. Havia certamente alguma ansiedade no dia em que começamos. O primeiro episódio que começou a ser gravado terminou por ter de ser paralisado durante dois dias por causa de um falso positivo em um exame, e eu logo pensei que ‘meu Deus, isso vai ser um desastre’.

Os atrasos resultaram em que a data da filmagem do meu episódio fosse adiada mais de uma vez, e eu lá no hotel em Schenectady pensando ‘o que estamos fazendo? O que está acontecendo?

Gravar em Schenectady teve algum benefício?
Sim. Eu adorei a cidade, e as pessoas pareciam tão empolgadas com nossa presença lá. Depois de trabalhar por seis anos em "Girls", que era gravada em Nova York, eu tinha me acostumado com a impaciência das pessoas nas ruas. Nós estávamos filmando e as pessoas pensando "só quero chegar em casa o mais rápido possível". E eu tendo de pedir: "Por favor, pessoal, temos só mais uma fala para gravar".

O que você espera que as pessoas extraiam do seu episódio?
Que é preciso perdoar o seu eu mais jovem pelos erros que pode ter cometido. Por muito tempo, foi realmente doloroso para mim pensar sobre aquela noite –lembrar do meu pai morrendo e de como me comportei. Eu não sabia como lidar com a questão. Mas agora, recordando o acontecido aos 42 anos, eu penso que é claro que eu não sabia como lidar com aquilo. Muita coisa de errado aconteceu em uma só noite. Mas precisei de muito tempo para me perdoar.

Final do conteúdo
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem