Cinema e Séries
Descrição de chapéu Cinema

Michaela Coel é confirmada no elenco de 'Pantera Negra 2'

Atriz venceu prêmio Bafta por 'I May Destroy You'

Cena da série 'I May Destroy You', série criada, dirigida e protagonizada por Michaela Coel
Cena da série 'I May Destroy You', série criada, dirigida e protagonizada por Michaela Coel - Divulgação
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

São Paulo

A atriz inglesa Michaela Coel, 33, foi confirmada como parte do elenco do filme "Pantera Negra 2". A produção do longa-metragem começou faz cerca de um mês, e a sequência deve ser lançada em julho de 2022, segundo a Variety.

Informações da personagem de Coel ainda não foram divulgadas, e ainda não se sabe como o filme será após a morte do ator Chadwick Boseman (1976 - 2020), que interpretava o rei T'Challa em "Pantera Negra" (2018). A Marvel confirmou que não irá substituir o ator no papel.

Em seu Instagram, a artista publicou uma imagem para confirmar que estaria no elenco. "Wakanda para sempre", escreveu na legenda. Nos comentários, internautas comemoraram o papel da atriz. "Mal posso esperar", comentou uma. "Rainha", completou outro.

A artista ganhou reconhecimento após produzir a série "I May Destroy You" (HBO, 2020). Inspirada em sua vida, a produção rendeu a Coel o prêmio Bafta na categoria de melhor atriz de TV e melhor minissérie em meados de junho.

Na ocasião, ela dedicou a premiação à coordenadora de intimidade da série, Ita O'Brien. Com a crescente no número de denúncias de assédio com o movimento #MeToo, que luta contra assédio e agressão sexual, a presença de profissionais como O'Brien se tornou cada vez mais comum nos sets de gravações para cenas de nudez e sexo.

A função destes profissionais é cuidar para que não haja constrangimentos ou abusos durante as filmagens. Ao subir no palco pela segunda vez, Coel destacou a importância dos coordenadores de intimidade.

"Quero dedicar este prêmio a coordenadora de intimidade Ita O’Brien. Obrigada por sua existência na nossa indústria, por tornar o espaço seguro físico, emocional e profissionalmente para que a gente faça um trabalho sobre exploração, perda de respeito e abuso de poder sem ser explorada e abusada no processo", pontuou.

Final do conteúdo
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem