Cinema e Séries
Descrição de chapéu Cinema

Mark Strong espera que Merlin volte em 'Kingsman 3': 'Tudo pode acontecer'

Ator conta que ficou triste com desfecho do personagem no último longa da série

Mark Strong e Taron Egerton em cena do longa 'Kingsman: O Círculo Dourado'
Taron Egerton e Mark Strong em cena do longa 'Kingsman: O Círculo Dourado' - IMDB
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

São Paulo

Atenção: esse texto contém spoilers de 'Kingsman'

Durante entrevista para falar sobre o lançamento do longa "Cruella", que estreou nesta quinta-feira (27), o ator Mark Strong foi perguntado sobre seu trabalho na franquia "Kingsman". Ao ser questionado se Merlin voltaria para o novo filme da série, mesmo com a morte do personagem no último longa, ele disse que "tudo pode acontecer".

“Eu não sei. Eu adoraria porque adoro fazer esses filmes. Pensei que o triunvirato – aquele grupo composto por mim, Colin [Firth] e Taron [Egerton]– era uma ótima pequena gangue. Eu fiquei muito triste, acho que como muitas pessoas, quando ele chega ao seu, digamos assim, desfecho dinâmico, no fim do segundo filme”, disse Strong, em entrevista ao canal JoBlo Celebrity Interviews, no YouTube, também na quinta-feira.

“Acho que vem um terceiro longa por aí. Nesse universo, tudo pode acontecer, como você bem sabe. Quero dizer, Colin levou um tiro no olho, voltou e está bem. Então, você sabe, é fantasia. Não descarto a possibilidade”, disse citando Galahad, personagem de Firth no longa.

Inspirado nas história em quadrinhos homônima, a séries de filmes Kingsman acompanha a trajetória de um jovem pobre com problemas disciplinares que vê uma chance de mudar de vida quando descobre que sua pai era membro de uma agência secreta, a Kingsman. Para aliar o conhecimento das ruas àqueles que um cavalheiro deve ter ele conta com a orientação de Galahad e Merlin.

Final do conteúdo
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem