Cinema e Séries
Descrição de chapéu BBC News Brasil Cinema Maratona

Os truques do entretenimento -e do nosso corpo- que nos fazem maratonar séries na quarentena

Os truques do entretenimento - e do nosso corpo - que nos fazem maratonar séries na quarentena
BBC Ideas / Ripple Pictures
BBC News

Você já assistiu ao documentário "Tiger King" na Netflix?

Sacrificou seu sono só para descobrir quem era o culpado na sua série de assassinato favorita?

Ficou sentado no sofá o dia todo, sem se mexer, completamente sugado pelo programa de TV de que todo o mundo está falando?

Bem, você não está sozinho, especialmente agora, com milhões de pessoas em todo o mundo confinadas por causa da pandemia de covid-19.

Os gigantes de streaming estão recebendo um número recorde de novos assinantes. A Netflix registrou 16 milhões de assinantes no primeiro trimestre de 2020.

E, mesmo antes disso, maratonar já era comum. Por exemplo, no Reino Unido, metade da população admitiu assistir a oito horas de um programa de TV de uma só vez, de acordo com uma pesquisa do The Radio Times.

Se isso soa familiar, é possível que você também sinta culpa. Se for o caso, continue lendo: isso pode fazer você se sentir um pouco melhor com seus hábitos de maratonar programas.

Truques para te atrair

Assistir compulsivamente não é só culpa sua. Muitas das nossas plataformas de streaming favoritas adotam técnicas sutis para te manter assistindo sem parar.

"Posso assistir facilmente a uma série inteira em um único dia", confessa o crítico e radialista Scott Bryan.

Mas ele diz que a tendência de maratonar começou por acaso e nasceu dos consumidores.

"A Netflix percebeu que muitas pessoas estavam vendo programas a granel, mesmo programas que elas já tinham visto, como "Friends"... A maneira como a Netflix tenta te incentivar a assistir em maratona é muito sutil e eles usam truques. Eles trabalham muito rapidamente para identificar quando um programa é lançado se ele está tendo sucesso e por quê. Além disso, no final de um episódio, eles deixam os créditos no cantinho e logo carregam automaticamente o próximo episódio. É assim que às vezes você é sugado para assistir a um programa por três horas sem nem perceber."

Feitos para maratonar

Você percebe que a maioria das grandes empresas está criando programas pensados para serem vistos compulsivamente?

Scott diz que a Netflix se destaca porque "testam muitas possibilidades de número de personagens e de números de arcos da história". Ele usa a popular série da empresa "Orange is the New Black" como exemplo.

Eles sabem que "você nunca vai pegar um programa no meio do caminho, você começará do começo, por isso tem um elenco de cerca de 40 personagens. É possível ter esse nível de profundidade em uma série de oito horas, mais do que seria se tudo fosse separado em pedaços de 60 minutos transmitidos em uma emissora comum".

Sim, tem um lado ruim...

Alguns especialistas dizem que assistir a muita TV pode causar ansiedade e aumentar a depressão. Em 2016, cientistas do Japão chegaram ao ponto de dizer que isso poderia matar, alegando que ficar sentado por longos períodos de tempo poderia levar a coágulos sanguíneos.

A psicoterapeuta Hamira Riaz diz que assistir a programas consecutivos pode afetar nosso sistema nervoso, com um impacto negativo no sono.

"Assistir compulsivamente significa que você está se mantendo ativo por períodos muito longos. Levará mais tempo para você se livrar disso", diz ela.

Portanto, conteúdos fortes, como um assassinato horrível, especialmente se envolver a morte de seu personagem favorito, "podem acionar o sistema nervoso simpático", o que Riaz conclui que "não seria propício para uma boa noite de sono".

Mas o hormônio do amor nos faz sentir bem

Então, o que nos faz voltar a esse comportamento repetidamente?

"Quando nos identificamos com um personagem, isso leva à liberação do hormônio do amor oxitocina, cria um vínculo", explica Riaz.

"Há tanto conteúdo agora que você poderá encontrar pelo menos um personagem em uma série de TV ou filme com a qual possa se conectar".

Pode melhorar nossos relacionamentos

Tomemos, por exemplo, "Love Island", uma série imensamente popular sobre jovens solteiros e bonitos tentando encontrar "a pessoa certa" enquanto passam por uma série de testes.

Depois que o programa começou a ser exibido, em 2019, houve um salto de 41% no número de casais no Reino Unido que procuravam aconselhamento.

Riaz acha que tem coisa aí. "Se estamos assistindo a uma série de ponta a ponta, estamos potencialmente criando horas de espaço para trabalhar nossas emoções e relacionamentos", diz ela.

Muitas pessoas têm fortes reações emocionais aos programas que amam, especialmente se algo chocante acontecer com o seu personagem favorito.

"Nossos cérebros não discriminam entre ativação real e ativação devido a eventos imaginados", explica Riaz.

E queremos participar da conversa

Outro motivo para maratonar é a sensação de estarmos participando de uma conversa, especialmente durante a quarentena, quando há muito pouca coisa para fazer.

"Assisti a dez horas de televisão em um dia e nem gostei", confessa Brian Lobel, criador do programa de arte interativo Binge.

"Queremos fazer parte de conversas públicas", diz ele.

Precisamos de tempo improdutivo (então não fique com culpa)

"Compulsão é uma palavra que tem conotações muito negativas, não é?", diz Brian.

"Descobri que as pessoas ficam profundamente envergonhadas com o quanto assistem TV. Sentimos vergonha de não ser produtivos e tirar uma folga e dizer: 'Na verdade, vi seis horas de televisão hoje porque precisava não olhar para cinco abas diferentes no computador do trabalho, precisava parar".

Portanto, se você é uma das milhões de pessoas que assistirão a uma série inteira logo após ler isso, Brian o incentiva a não se sentir culpado.

"Não dizemos 'maratonei um livro'. Mas a realidade é que alguns dos maiores escritores de nossa geração estão escrevendo para a televisão. Eu seria a última pessoa a dizer para você parar de maratonar", proclama com um sorriso largo e amplo.

Então, se você quiser, saboreie cada minuto... hora... ou dia. Aproveite!

BBC NEWS
Final do conteúdo

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem