Cinema e Séries

Nova série de 'Star Wars' terá mulher protagonista e elementos de artes marciais

Após sucesso de 'The Mandalorian', Disney decidiu apostar na franquia

Daisy Ridley foi protagonista em 'Star Wars: The Rise of Skywalker'
Daisy Ridley foi protagonista em 'Star Wars: The Rise of Skywalker' - Tolga Akmen/AFP
Los Angeles

Uma nova série sobre o universo da saga "Star Wars", com uma personagem central feminina, está sendo desenvolvida para a plataforma de streaming Disney +, de acordo com relatórios comerciais de Hollywood divulgados nesta quarta-feira (22).

Leslye Headland, co-criador da série da Netflix "Boneca Russa" ("Russian Doll"), é o responsável pelo projeto que será mais uma oferta da Disney para expandir a franquia de ficção científica na sua plataforma de vídeos após o grande sucesso de "The Mandalorian". A Disney não respondeu imediatamente ao pedido de comentário.

Segundo o Deadline Hollywood, a nova produção seria um "thriller de ação dirigido por mulheres com elementos de artes marciais e estabelecido em uma linha do tempo alternativa ao habitual universo de 'Star Wars'".

Segundo a Hollywood Reporter, a nova série teria atores de carne e osso. A Disney priorizou a televisão como plataforma para "Star Wars" nos próximos anos.

"The Mandalorian" foi o principal lançamento da plataforma de vídeo on demand da Disney no ano passado, obtendo um sucesso entre críticos e público. Uma terceira temporada já está em desenvolvimento.

Além disso, outras duas novas séries de televisão com atores sobre "Star Wars" estão sendo trabalhadas para a Disney +, incluindo o retorno de Ewan McGregor como Obi-Wan Kenobi e uma pré-sequência do spin-off "Rogue One".

Em fevereiro, o então CEO Bob Iger sugeriu possíveis derivações de "The Mandalorian", que poderiam "levar esses personagens em sua própria direção em termos de séries".

Enquanto isso, a Disney adiou o lançamento de seus próximos filmes de "Star Wars", com sua trilogia recentemente concluída, com retornos decrescentes nas bilheterias e críticas mistas.

Os esforços para introduzir mais personagens femininos e de minorias raciais na franquia não foram bem recebidos por alguns fãs.

A recente trilogia cinematográfica contou com mais mulheres e atores de cor como Rey (Daisy Ridley) e Finn (John Boyega) ocupando o centro da trama - irritando uma minoria tóxica.

A atriz americana de ascendência asiática Kelly Marie Tran, que estreou em "Os Últimos Jedi" (2017), foi perseguida nas mídias sociais por pessoas racistas e sexistas.

AFP
Final do conteúdo

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem