Cinema e Séries

Filme de Bruna Marquezine, 'Vou Nadar Até Você' tem menos de mil espectadores em 10 dias

O longa estrelado pela atriz, que foi gravado em 2016, estreou nos cinemas no dia 5 de março

Cena do filme "Vou Nadar Até Você" com Bruna Marquezine - Divulgação
São Paulo

A estreia de Bruna Marquezine, 24, nos cinemas com o filme "Vou Nadar Até Você" tem obtido fraco desempenho nos cinemas.

Segundo o maior portal sobre o mercado de cinema no Brasil, Filme B, o longa somou até domingo (15), 992 espectadores e R$ 8.363 de renda. O filme, que foi gravado em 2016 e é dirigido por Klaus Mitteldorf, estreou nos cinemas no dia 5 de março.

Com o aumento dos casos de coronavírus no Brasil e as medidas para restringir a circulação da população, esse número não deve aumentar nos próximos dias.

"Vou Nadar Até Você" era para ter sido lançado em 2017, mas devido ao orçamento apertado e à grande quantidade de sequências na água –o que exigiu equipamentos mais sofisticados– , retardou seu lançamento para 2020.

O filme conta a história de Ophelia, uma mulher de 21 anos que decide nadar de Santos a Ubatuba, no litoral paulista, para encontrar o pai alemão que ela nunca conheceu. Ophelia, vivida por Marquezine, tem uma forte relação com a fotografia, assim como seu pai, que está em Ubatuba expondo seu trabalho como fotógrafo. Ela, então, escreve uma carta a ele para dizer que irá encontrá-lo.

Além dos números baixos, outra coisa que chama atenção é a polêmica envolvendo o diretor Klaus Mitteldorf. Em 2019 o filme foi exibido no 47° Festival de Gramado, e gerou certa controvérsia sobre a nudez de Marquezine. A atriz aparece despida em cenas em um lago e dentro de casa, como se tivesse se relacionando com a câmera.

Ao F5, Mitteldorf negou que tenha sensualizado a atriz, apesar dos frequentes questionamentos da mídia sobre isso, mas, sim, que “deixou uma mulher bonita” uma vez que a água tem um “lado mais poético”. “A água tem uma coisa de fluidez, de textura, que transforma as pessoas."

Final do conteúdo

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem