Cinema e Séries

Receita de plataformas de streaming deve superar cinemas em 2019

  Estudo da Ampere Analysis mostra que serviços on demand devem faturar 15% mais que bilheterias  

Cena do filme "Roma", lançado em 2018 pela Netflix
Cena do filme "Roma", lançado em 2018 pela Netflix - Carlos Somonte/Netflix via AP
São Paulo

A receita global das assinaturas de plataformas de streaming, como a Netflix e a Amazon Prime, deve ser 15% maior do que a bilheteria mundial de cinemas em 2019, diz estudo realizado pela empresa americana Ampere Analysis, e divulgado pela Hollywood Reporter nesta segunda (17). 

De acordo com o estudo, espera-se que a receita com a assinatura desse tipo de serviços atinja US$ 46 bilhões (R$ 179 bilhões) no ano que vem, comparado com os cerca de US$ 40 bilhões (R$ 156 bilhões) que devem ser gerados pelas bilheterias de cinemas. 

Nos Estados Unidos, a receita com a assinatura de plataformas de streaming ultrapassou a renda com bilheterias de cinema já em 2017, e prevê-se que o mesmo deva acontecer no Reino Unido até o fim de 2018. 

Segundo o estudo, a China, o segundo maior mercado cinematográfico do mundo, deve ver o mesmo movimento acontecer em 2019. 

Enquanto serviços como Amazon e Netflix ganham cada vez mais espaço em mercados relevantes como a Europa Ocidental, as bilheterias nesses locais permanecem estagnadas. 

O estudo da Ampere sugere que uma das razões causadoras da mudança é o preço dos ingressos de cinema, considerado caro quando comparado com a assinatura mensal de serviços de streaming.

A pesquisa, realizada em 15 países, mostra que, quanto mais caros os ingressos de cinema, menor o público total que comparece às salas e vice-versa.

No México, por exemplo, onde o custo médio de uma entrada é de cerca de R$ 10, cada pessoa vai, em média, 3,3 vezes ao cinema por ano. 

Na Escandinávia, onde os ingressos chegam a custar mais de R$ 51, a média per capita é de menos de uma visita ao cinema por ano.

Mesmo em países com mercados tradicionais, como a França, o preço parece ser um empecilho, com os franceses indo, em média, 1,5 vezes ao cinema por ano, a um preço de cerca de R$ 31 o ingresso.

Final do conteúdo

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem

Últimas Notícias