Carnaval

Dandara Mariana diz que Carnaval é profano e sagrado ao mesmo tempo: 'É transbordamento'

'Meu coração é uma bateria de Carnaval', diz atriz

Dandara Mariana em ensaio na quadra da Unidos de Padre Miguel 2020 - Instagram/dandaramariana
Rio de Janeiro

Dandara Mariana, 31, é duplamente musa no Carnaval do Rio de Janeiro. Cheia de samba no pé, a vice-campeã da Dança dos Famosos 2019 ocupou o posto na Unidos de Padre Miguel, agremiação do Grupo de Acesso que desfilou na noite deste sábado (22). E também do Camarote Bateria Nota 10, localizado no setor 2 da Marquês de Sapucaí, exatamente ao lado de todas as baterias.
 
“Amo o Carnaval, então para mim é um presente vir como musa da Unidos de Padre Miguel e do camarote. Venho de uma família carnavalesca. A família do meu pai [o ator Romeu Evaristo Cabral] vem de Caxias e criou uma escola de samba chamada Capricho do Centenário, em que a minha avó era baiana, meu pai passista, minha tia porta-bandeira... Temos uma história muito legal com Carnaval. Essa festa me arrebata”, afirma a atriz, que está no ar em “Salve-se Quem Puder”, novela das 19h da Globo, como a personagem Bel.

 
Conciliar os compromissos do Carnaval com as gravações foi uma loucura, segundo ela. “A gente acaba dormindo menos, corre de um lado para o outro”, diz.
 
Dandara, no entanto, diz que é um prazer ficar nessa correria. “Meu coração é uma bateria de Carnaval. Uma escola de samba”, brinca.
 
“Temos que passar por essa festa para o ano começar com energia. Não deixo de pular Carnaval de jeito nenhum. O Carnaval é profano, mas também é sagrado. É um momento em que as pessoas se libertam. A gente ocupa a cidade com alegria e isso é tão bonito. Acho um transbordamento.”
 
Para fazer bonito durante a folia, Dandara diz ter intensificado os exercícios físicos e equilibrado a alimentação, mas confessa não ter tido muito talento para se privar demais neste último quesito.
 
“Sou taurina, amo comer e não dou conta de fazer dieta. Nunca consegui. Mas agora eu tenho comido um pouco menos. Estou dando uma seguradinha. Mais proteína, saladas e tal. Dei uma reduzida no doce, que adoro, e tomo muita água”, explica.
 
Quanto às atividades físicas, a atriz apostou em diferentes práticas. De correr na praia, fazer crossfit a yoga. “Pratico standing yoga há vários anos. Muita gente nem sabe, mas esse trabalho é muito intenso. Já a musculação eu faço para dar uma tonificada, porque o joelho precisa aguentar. Tudo precisa estar no lugar para aguentar uma hora de desfile”, conta ela, que também se beneficia de um treino personalizado com a ajuda de eletrodos, além de massagem modeladora e drenagem para manter o shape.
 
Inspirada por ícones do Carnaval como Valéria Valenssa, 48, Quitéria Chagas, 39, e Patrícia Costa, 49, Dandara revela que seu maior desafio como musa foi levar alegria para o público.

 
“Além das mulheres que citei, todas as outras meninas e mulheres que não têm os holofotes virados para elas, mas que representam a escola com muito samba no pé, com muita ginga e muito amor à comunidade me inspiram também. Sou uma admiradora”, disse.
 
“O que acho de mais lindo no Carnaval, e sempre penso nisso quando vou assistir aos desfiles, é em como é bonito ver uma comunidade inteira unida, que passa o ano inteiro confeccionando fantasias, fazendo com que toda aquela festa aconteça. Bato palma para todas as mulheres que vivem o Carnaval intensamente.”
 
A atriz ressaltou ainda o enredo da Unidos de Padre Miguel, “Ginga”, desenvolvido pelo carnavalesco Fábio Ricardo, e do Salgueiro, 'O Rei Negro do Picadeiro', do carnavalesco Alex de Souza.
 
Enquanto o primeiro abordou a história da capoeira, o segundo homenageia o palhaço Benjamin de Oliveira, que completaria 150 anos no próximo ano.
 
“São enredos que nos mostram coisas interessantes, que a gente nem imagina. A capoeira, por exemplo, é um movimento que vem da zebra, o bicho. Tem muita coisa que vamos descobrir na avenida (...) Benjamin de Oliveira foi um artista, ator, cantor, compositor, do circo-teatro. Precisamos resgatar a história de muitos negros que fizeram história, que foram pioneiros e que abriram portas para tantos outros.”

Final do conteúdo

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem