Aviso
Este conteúdo é para maiores de 18 anos. Se tem menos de 18 anos, é inapropriado para você. Clique aqui.

Celebridades

Rodrigo Mussi comenta cicatriz após acidente: 'Vou carregar como vitória'

Ex-BBB esteve no programa Mais Você na manhã desta quinta-feira (23)

Homem branco com cabelo e barba castanho escuro vestindo blusa xadrez
O ex-BBB Rodrigo Mussi no programa Mais Você - Reprodução/Globoplay
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

São Paulo

Quase três meses após sofrer o grave acidente de carro que o deixou internado, o ex-BBB Rodrigo Mussi, 36, foi ao programa Mais Você (Globo) nesta quinta (23) para conversar com Ana Maria Braga, 72. Ele comentou sobre sua recuperação e vida nas últimas semanas, e disse que agora busca incentivar o uso do cinto de segurança no banco de trás.

"Não tem como voltar atrás, mas tem como tentar recuperação e falar para as pessoas uma forma de segurança", disse ele. Mussi conta que perdeu quase 30 kg após o acidente, e conseguiu recuperar 18 kg com os tratamentos. Ele ainda diz que não se importa com a cicatriz que ficou após o acidente.

"É uma marca que mudou minha vida por completo. Vou carregar como uma vitória", afirma. O ex-BBB completa ao dizer que já pode fazer muitas atividades e pretende voltar a treinar na academia em breve, porém, precisa tomar cuidado com esportes que possam envolver algum impacto com a cabeça.

"Estou fazendo as coisas do dia a dia até que normal. A maior luta é o emocional", completa. Ele ainda conta que não se lembra de nada do momento do acidente, apenas de ter entrado no carro, e que não conheceu o motorista de aplicativo que estava com ele no acidente.

O motorista de aplicativo Kaique Reis não foi indiciado. Isso porque lesão corporal culposa é considerado um crime de menor potencial. O inquérito que investigava o acidente já foi concluído e nele consta que Reis foi imprudente e cumpria excesso de jornada naquele 31 de março.

Além disso, Mussi também agradeceu à equipe médica que prestou os primeiros socorros, mesmo sem saber quem ele era. "Os documentos estavam no celular, pela primeira vez eu tinha saído sem carteira. Demoraram horas até me reconhecerem, mas até ali me trataram muito bem. Me salvou."

Final do conteúdo
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem