Celebridades

Homem mais alto do Brasil vai passar por cirurgia para amputar perna direita

Com 2,37 metros de altura, Ninão está com uma infecção irreversível no osso

Joélisson Fernandes da Silva (Gigante Ninão) - Instagram/ninaooficiall
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

São Paulo

Considerado o homem mais alto do país pelo RankBrasil, que registra recordes nacionais, o paraibano Joélisson Fernandes da Silva vai passar por uma cirurgia na noite desta terça (7) para amputação da perna direita. A operação é necessária por causa de uma osteomielite, uma infecção no osso provocada por bactérias ou fungos.

Conhecido como Ninão, ele tem 2,37 metros de altura e pesa 200 quilos. "Já estou aqui [no hospital], naquela ansiedade, mas sei que vai ser uma coisa boa para mim e para a minha saúde. Estou muito tranquilo", afirmou no Stories do Instagram.

Ninão disse que vinha sofrendo muito por causa da infecção, que perdura há quatro anos e o impede de andar —ele se locomove em cadeira de rodas. Por meio de uma campanha feita na internet, a família dele conseguiu arrecadar R$ 149 mil, valor usado nos custos pré e pós-operatório e para a aquisição de uma prótese adaptada para que ele possa voltar a andar.

"Quero muito ter uma qualidade de vida melhor, e isso só acontece se eu fizer essa cirurgia, porque o meu quadro é irreversível", disse Ninão em vídeo publicado em suas redes sociais no início de novembro. "Eu quero muito fazer essa cirurgia, porque tem uma grande chance de voltar a andar. É o meu sonho", completou.

O gigantismo foi provocado por um tumor no cérebro descoberto quando ele era adolescente, e que foi retirado em uma cirurgia em 2007.

Antes da infecção, Ninão costumava participar de programas de televisão. Foi na Eliana, no programa Silvio Santos e também tema de reportagem no Mais Você, de Ana Maria Braga, na Globo.

Final do conteúdo
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem