Celebridades

Mãe de Paulo Gustavo faz alerta: 'Quem não se vacina é o fim da picada'

Déa Lúcia diz que políticos precisam parar de roubar para sobrar dinheiro para imunizante

Déa Amaral, mãe de Paulo Gustavo, durante entrevista ao Fantástico
Déa Amaral, mãe de Paulo Gustavo - Reprodução/TV Globo
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

São Paulo

Déa Lúcia, mãe de Paulo Gustavo, fez um apelo para que as pessoas usem máscaras e se vacinem contra a Covid-19. "Quem não se vacina é o fim da picada", afirmou ela em entrevista ao programa Mais Você (Globo), na manhã desta sexta (17).

Ela também disse que os políticos precisam parar de "roubar para sobrar dinheiro" para comprar imunizantes. "A gente vive um horror hoje em dia com esses políticos, sem exceção."

"Estamos vivendo numa era de terrorismo", acrescentou. Déa Lúcia também destacou a importância do uso de máscaras. "É importantíssimo o jovem usar. Se ele quer morrer, problema dele, se mata. Mas [não pode] andar na rua, transmitindo a doença para outras pessoas", reforçou.

Ela também disse que agradece todos os dias ter tido a oportunidade de ser mãe do ator e humorista Paulo Gustavo, morto em maio aos 42 anos vítima de complicações da Covid. "É a fé que me sustenta."

Muito emocionada, Déa Lúcia agradeceu todo o carinho que recebeu dos brasileiros. "São muitas orações, muito apoio que recebi do Brasil inteiro. Ainda não tive coragem de fazer um vídeo para falar, porque eu choro, mas quero agradecer esse carinho."

Déa Lúcia faz aniversário de 74 anos nesta sexta (17), e disse que vai almoçar com o genro, o médico Thales Bretas, e aproveitar o dia ao lado dos netos, os gêmeos Gael e Romeu, e da filha, Juliana. "Não tem como comemorar nada. Não dá para comemorar", afirmou.

Ela chorou após receber uma homenagem do genro. "O Thales faz tudo por mim. O meu filho soube escolher um homem maravilhoso."

Final do conteúdo
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem