Celebridades

Ator de 'Carinha de Anjo' morreu por asfixia acidental, aponta laudo do IML

Luiz Carlos Araújo também teria usado drogas e antidepressivos, diz delegado.

Luiz Carlos Araújo foi encontrado morto em São Paulo
Luiz Carlos Araújo foi encontrado morto em São Paulo - Intagram/@luizcarlosaraujo_arte
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Erramos: esse conteúdo foi alterado
São Paulo

A morte do ator Luiz Carlos Araújo, 42 , que atuou na novela "Carinha de Anjo" (SBT, 2016-2018), foi causada por uma asfixia acidental, segundo laudo do IML (Instituto Médico Legal). Ele foi encontrado morto no apartamento onde morava, no centro de São Paulo, no dia 11 de setembro.

O delegado Roberto Monteiro, responsável pela investigação, disse na tarde desta quinta-feira (23) ao programa A Tarde é Sua (Rede TV!) que o laudo do IML confirma a impressão inicial dos investigadores de que ele morreu em decorrência de asfixia acidental.

“Ele colocou um saco plástico na cabeça e possivelmente em uma prática de asfixiofilia, em que a pessoa pretende obter maior satisfação sexual quando ela diminui a respiração, o fluxo, a entrada de oxigênio”, explica o delegado.

Monteiro disse ainda que o laudo identificou que o ator usou drogas e ingeriu remédios antidepressivos. “Foi uma conjugação de situações que fizeram com que provavelmente o Luiz Carlos perdesse a consciência e acabasse morrendo sufocado, sem ar.”

Além do laudo do IML, o delegado também ouviu o depoimento do porteiro do prédio e amigos do ator, além do seu ex e do atual namorado. “Nós inicialmente não desconsideramos nenhuma possibilidade, nenhuma situação que pudesse se apresentar”, disse o delegado.

ERRAMOS: O conteúdo desta página foi alterado para refletir o abaixo

A versão anterior desta reportagem apontava​, em título e texto, que a causa da morte foi asfixia sexual, mas essa é uma das possibilidades levantadas pelo delegado do caso.

Final do conteúdo
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem