Celebridades
Descrição de chapéu Tóquio 2020

Douglas Souza, do vôlei, faz sucesso mostrando bastidores da Olimpíada

Atleta viu o número de seguidores nas redes sociais disparar nos últimos dias

Douglas Souza - Divulgação
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

São Paulo

A seleção brasileira de vôlei estreia nos Jogos de Tóquio na sexta-feira (23) contra a Tunísia. Porém, mesmo sem ainda ter entrado em quadra, o time já tem pelo menos um campeão: o ponteiro Douglas Souza, 25, que virou o queridinho das redes sociais ao mostrar, de forma muito bem-humorada, os bastidores da competição.

Douglas viu o número de seguidores nas redes sociais disparar nos últimos dias. No momento, ele já soma mais de 650 mil seguidores (metade deles conquistados de ontem para hoje) juntando Instagram e Twitter. E a tendência é que esse número cresça ainda mais, uma vez que os vídeos dele têm viralizado e passado a pautar conversas na internet e fora dela.

Um dos primeiros foi o vídeo em que ele apresentava os três uniformes da seleção brasileira para a competição. Fazendo poses para a câmera, ele comenta de um jeito todo próprio: "Olha que gracinha"​. Outro sucesso absoluto nas redes foi um desfile numa passarela imaginária em pleno treino.

Recentemente, ele também mostrou o quarto em que está hospedado na Vila Olímpica. Os destaques foram o chuveiro, baixo demais para os padrões de altura dos jogadores de vôlei, e a cama de papelão, em cima da qual ele sambou.

"Gente, vocês viram que quase quebrou a cama?", riu. "Ainda bem que não quebrou. Deu certo. Deu para sambar, deu para quicar. Não, mentira. Mas vocês entenderam, cama super aprovada."

Douglas fez parte do time campeão olímpico em 2016, no Rio. Na ocasião, no entanto, ele ainda era coadjuvante, uma vez que disputava posição com Lucarelli e Maurício Borges.

O ponteiro se destacou justamente quando os dois colegas se lesionaram, e ele pode mostrar um pouco mais do próprio talento. Foi um dos destaques do time que ganhou a medalha de prata no Mundial de 2018.

Na época, o atleta contou à Folha que tem orgulho de representar a população LGBTQIA+ na seleção e que jamais escondeu a sua orientação sexual. "Eu sou a prova viva de que um LGBT pode jogar no alto nível, como um hetero", afirmou.

"Eu nunca me escondi para ninguém", disse. "Em todo clube com que assinei, a diretoria sabia, os atletas sabiam. No meu dia a dia não muda absolutamente nada. Estou aqui a trabalho. Acho que vida pessoal e profissional são totalmente diferentes."

Ele também contou que, apesar de não ter sofrido homofobia no esporte, sabe que esse é um campo em que ainda há espaço para se avançar. "Precisamos levantar bandeira em busca de igualdade", avaliou. "Estamos fazendo isso no esporte, infelizmente a gente engatinha nessa fase ainda."

Final do conteúdo
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem