Celebridades

Bruna Marquezine fala sobre distúrbio alimentar: 'Estava depressiva'

Em entrevista à Elle Brasil, ela comentou sobre o namoro e a saída da Globo

A atriz Bruna Marquezine estampa a capa da revista Elle Brasil - Nicole Heiniger/Divulgação
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

São Paulo

Bruna Marquezine, 25, abriu o jogo sobre depressão e distúrbio de imagem em entrevista à Elle Brasil. À revista, ela também falou sobre a relação com as redes sociais e o namoro com Enzo Celulari, 24.

Sobre o transtorno de imagem, ela contou que até hoje recebe comentários falando que ela está magra demais, feia demais ou com anorexia. "Mas ninguém sabia que eu tinha acabado de enfrentar um perrengaço, do mal que eu havia feito contra o meu corpo", afirmou.

Ela disse que viveu o auge do distúrbio de alimentação e de um processo depressivo pouco antes de 2018, quando fez uma publicação reclamando da cultura dos "haters" nas redes sociais. "Eu passava o dia inteiro sem comer, sem tomar água", contou.

"À noite, tinha fome, pedia uma pizza e comia inteira", continuou. "Ficava muito mal e tomava dois lacto-purgas, um laxante pesado. No dia seguinte, acordava passando mal, ia ao banheiro, botava para fora todos os nutrientes."

"Se eu quisesse emagrecer, bastaria fazer refeições com uma composição saudável", avaliou. "Mas eu estava depressiva. Então, eu queria era me machucar. Fui fazendo isso por meses. Aí, na véspera do Natal, fui parar no hospital, com um início de pedras nos rins. Ali, eu vi a violência que estava cometendo contra o meu corpo."

Com relação ao namorado, ela diz que não imaginou que começaria uma relação em meio à pandemia de Covid-19. "O Enzo apareceu na minha vida neste momento superdelicado", disse. "Eu estava uns quatro anos sem ter um namoro e fiquei muito bem sozinha –coisa que nunca tinha conseguido fazer."

"Antes de pensar em me relacionar com o Enzo, eu já admirava o trabalho dele", revelou. "Ele recebeu uma criação maravilhosa, teve todo o conforto e estaria tudo certo se não fizesse nada –mas foi para o terceiro setor, trabalhar pra ajudar as pessoas."

"A gente começou a se falar porque me coloquei à disposição para ajudá-lo nessa pandemia, mas me disseram que ele tinha ali umas segundas intenções também", lembrou. "E aí ele foi chegando e me conquistou. Desde o início, foi muito leve, me fez muito bem. É um lugar onde eu me sinto muito segura e isso é tão bom..."

A atriz disse que não estava acostumada com isso. "Foram muitas sessões de terapia para me acostumar com a paz de ter um relacionamento tranquilo", comentou. "Às vezes, eu confundia isso com quase um tédio. Ficava em um estado de alerta. E aí? O que tá por vir? Não tem alguma coisa errada? Não está faltando um sentimento?"

Ela também disse que o anúncio do namoro não foi planejado, mas surgiu de forma espontânea depois de beber "umas caipirinhas de seriguela ao longo do dia". "Foi assim, sem estratégia nenhuma, sem essa coisa de 'assumir namoro' que saiu depois", disse. "A gente assume crimes e erros. Amor não se assume. Não é assim!"

Ainda sobre as redes, ela contou por que faz questão de se posicionar politicamente. "Publico posts de oposição ao Bolsonaro desde a campanha eleitoral, porque talvez possa influenciar alguém a, pelo menos, sair de um ciclo vicioso de só ler matéria de WhatsApp", afirmou.

"Quando comecei, recebi ataques não só de eleitores dele, mas até de pessoas próximas, do meu meio", disse. "Nas eleições, eu fazia stories todos os dias –o máximo de pausa que dava era, no meio de uma TPM, só pra ter uma noite de descanso dos ataques que recebia. Eu pensava: vou ser xingada, mas já fui tão detonada em coisas tão menos importantes... Agora, a agressividade deles é muito mais forte. De uma crueldade e de um ódio absurdos."

Ela disse entender que isso pode ter consequências em outras áreas de sua vida. "Quando resolvo me posicionar, corro o risco de ouvir críticas, de perder seguidores e contratantes", avalia. "Mas aí eu penso: 'Ok, foda-se. É a minha posição e também não quero atrelar a minha imagem a uma marca que tenha valores tão divergentes dos meus'."

"Eu não desejo falar só com pessoas que pensam exatamente como eu", disse. "Mas, quando a gente trata de valores muito importantes, até prefiro que o meu público tenha os mesmos. Se eu puder influenciar positivamente uma pessoa que seja, sobre um tema sobre o qual consigo falar com segurança, então, falo."

"Às vezes, vejo gente dizendo que acharia um fardo se pronunciar, comenta. "Não é um peso, gente! Se você não entende sobre um assunto, realmente, não se posicione – ninguém é obrigado a ter opinião formada sobre tudo. Essa cobrança também acho um puta saco. Mas a gente tem que saber que todo artista tem uma importância na sociedade."

Marquezine também comentou sua saída da Globo, onde estreou aos 6 anos. "Finalizar uma trajetória de tantos anos dentro da Globo foi muito delicado, muito sofrido", disse. "Sabia que seria arriscado, principalmente financeiramente, encerrar um contrato seis meses antes do término para ter mais liberdade de escolha na carreira."

"Ouvi de muita gente que eu não deveria fazer, mas eu estava frustrada havia anos", contou. "Entendo o valor cultural gigantesco das novelas para o nosso país, entendo quantas pessoas apreciam e são profundamente tocadas por elas –mas é um formato que fiz a vida inteira e já não aguentava mais."

"Eu não era mais feliz e começava a descontar essa frustração na arte em si, já estava me questionando se eu era atriz, se era capaz, se queria continuar, afirmou. "Aí entendi que o problema não era a atuação, era o formato. Eu estava sofrendo e, ao mesmo tempo, queria entregar para a empresa tudo o que ela precisava. Então, pensei em fechar o ciclo."

Final do conteúdo
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem