Celebridades

Ludmilla é intimada a depor sobre uso indevido de imagem em 'Rainha da Favela'

Senhora pede que sua imagem seja retirada do clipe da cantora

Ludmilla fez a gravação de seu mais novo clipe, 'Rainha da Favela', na comunidade da Rocinha, no Rio de Janeiro - Rodolfo Magalhães/Divulgação
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

São Paulo

A cantora Ludmilla, 25, deverá ser intimada a prestar esclarecimentos com relação às imagens de seu clipe da música “Rainha da Favela”, gravado na Rocinha, no Rio de Janeiro.

Isso porque uma senhora entrou na Justiça para pedir que as imagens nas quais aparece, teoricamente sem autorização, sejam imediatamente deletadas. A juíza vai pedir que a artista compareça para explicar o caso.

De acordo com informações do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro, está sendo requerido que haja a exclusão da imagem em que a senhora aparece sob pena de multa diária no valor de R$ 5.000.

A mulher em questão, de acordo com o processo que ainda não teve mérito julgado, alega que o conteúdo publicado segue disponível para qualquer usuário da internet, cadastrado ou não naquela rede e seguidor ou não do perfil da requerida. Ela não quer ter sua imagem atrelada ao ritmo.

Ela afirma ser conteúdo público e facilmente encontrado por qualquer um que faça uma busca com o nome da música. Por fim, informa que enquanto o videoclipe estiver disponível online a perpetuação do dano será inevitável.

Procurada, a cantora Ludmilla, por meio de sua assessoria, informa que até o presente momento não foi citada/intimada dos termos da ação judicial nem para prestar esclarecimentos sobre os fatos noticiados. “Assim que for acionada, a artista prontamente se manifestará judicialmente”, diz nota.

A cantora gravou, em novembro de 2020, seu mais novo clipe da canção “Rainha da Favela”. Nele, faz uma homenagem a grandes nomes do funk tais como Taty Quebra Barraco, MC Katia, Mc Carol de Niterói e Valesca Popozuda.

A curiosidade é que o clipe foi gravado “em silêncio”. Com a ajuda de um ponto eletrônico, apenas ela escutava a canção, dublava a letra e dançava, já que a melodia não poderia vazar antes do tempo. Os moradores da comunidade fizeram fotos e filmaram suas reações sem poder ouvir a música.

Final do conteúdo
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem