Celebridades
Descrição de chapéu Folhajus

Antônia Fontenelle tem de retirar publicação com ataques à professora das redes

Youtuber acusou Débora Diniz de 'defender pedófilos, aborto e pedofilia'

Antonia Fontenelle - Instagram/ladyfontenelle
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

São Paulo

A atriz e youtuber, Antônia Fontenelle, 47, recebeu a ordem de retirar imediatamente uma publicação de seu Instagram onde ela criticava a professora e antropóloga Débora Diniz. A ação foi determinada pela juíza Adriana Angeli de Azevedo Maia, da 5ª Vara Cível.

A ação foi movida pela professora, que realizou a cobrança cível por uma publicação feita pela youtuber onde ela acusa Diniz de "defender pedófilos, o aborto e a pedofilia". "Na hipótese, a verossimilhança dos fatos alegados está comprovada pela farta prova documental apresentada", disse a juíza.

"Demonstrando que a ré publicou em sua página do Instagram uma foto da autora, acompanhada de comentários agressivos, difamatórios e injuriosos, acusando-a de defender pedófilos, proferindo ameaças e incitando terceiros", continuou Maia.

"Marcando na publicação as redes sociais de revista para a qual a autora escreve e de Universidade onde é professora, denegrindo, assim, a sua honra e prejudicando a sua imagem, com reflexos, inclusive, em sua vida pessoal e profissional", finalizou.

Fontenelle reproduziu o discurso de Jair Bolsonaro, que foi assunto de uma publicação da professora, por suas ações no governo. Porém, o presidente distorceu as informações de Diniz e afirmou que ela "defendia pedófilos".

A juíza ainda determinou que se a decisão fosse desrespeitada, a youtuber teria que pagar uma multa diária de R$ 1.000. Diniz foi representada pelo Escritório Ribeiro da Luz. O escritório, em nota, afirmou que estão cientes da decisão da juíza.

" O pedido foi ajuizado diante da evidente gravidade, da falsidade das acusações e dos danos já causados para a vida da Débora. A Juíza compreendeu a necessidade de retirar o post do ar imediatamente”, diz o comunicado.

"Novamente, o Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro deixa claro que liberdade de expressão tem limites, que a Constituição Federal não confere a ninguém o direito de mentir e de ofender e que a Internet deve ser utilizada de forma responsável", completa. Procurada, Fontenelle ainda não se pronunciou sobre o caso.

Final do conteúdo
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem