Celebridades

Príncipe Harry e Megan Markle não devem voltar às redes sociais

Para a saúde mental da família, diz o casal, o melhor foi sair das mídias

O príncipe Harry com a mulher, Meghan Markle
O príncipe Harry com a mulher, Meghan Markle - Daniel Leal-Olivas-27.nov.2017/AFP
São Paulo

Quase um ano se passou desde a última manifestação de Meghan Markle, 39, e do príncipe Harry, 36, nas suas redes sociais, e o casal real não pretende retornar. Na época, o caso recebeu a alcunha de Megxit, contração de Meghan e "exit" (saída) –uma alusão ao Brexit para se referir à saída de Harry e da esposa da família real britânica.

O principal motivo teria sido o teor de algumas mensagens e comentários que o casal teria recebido. Uma fonte próxima do duque e duquesa de Sussex afirmou ao jornal The Times, de Londres, que ter uma presença nas redes se tornou desagradável e que é muito pouco provável que voltem algum dia.

O casal sempre esteve presente nas redes sociais, com publicações sobre viagens e encontros com personalidades no perfil oficial The Duke and Duchess of Sussex. Desde 31 de março de 2020, os dois pararam as atualizações na página –a última foi a mensagem de despedida na qual dizia que "embora vocês não nos vejam mais por aqui, o trabalho continua".

Em outubro de 2020, o casal participou de um episódio do podcast Teenager Therapy, no qual Meghan Markle falou sobre como os ataques que recebeu tornaram o primeiro ano de sua maternidade mais difícil que o normal. "Me disseram que, em 2019, eu fui a pessoa mais 'trollada' do mundo inteiro, entre homens e mulheres. É quase impossível sobreviver a isso."

Harry concordou com a esposa, e disse que pelo bem da saúde mental de sua família, a melhor decisão foi deixar as redes. "É muito fácil ser sugado e consumido pela negatividade da internet. Mas todos nós temos a escolha de cortar isso de nossas vidas."

Final do conteúdo

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem