Celebridades
Descrição de chapéu BBC News Brasil

Elliot Page: ator que anunciou ser trans questionou Bolsonaro sobre homofobia em entrevista de 2016

Elliot Page - Reuters

A estrela do filme "Juno", que recebeu uma indicação ao Oscar, anunciou que é transgênero, e se apresentou como Elliot Page em uma mensagem postada no Twitter.

O ator canadense de 33 anos, antes conhecido como Ellen Page, afirmou que ainda não é capaz de "expressar quão marcante é finalmente amar quem eu sou o suficiente para buscar meu eu autêntico". "Eu amo que eu sou trans. E eu amo que sou queer", escreveu em seu perfil no Twitter.

Em seu anúncio, Page também tratou da discriminação contra pessoas trans. "A verdade é que, apesar de me sentir profundamente feliz neste momento e de saber quanto privilégio eu tenho, eu também estou com medo. Eu tenho medo da invasão, do ódio, das 'piadas' e da violência", disse.

"E para esclarecer, eu não estou tentando estragar um momento feliz que estou celebrando, mas eu quero falar da questão inteira. As estatísticas são alarmantes." Ele afirmou ainda, em recado à comunidade trans, que fará "tudo que puder para mudar o mundo para melhor".

Em sua carreira artística, Page foi aclamado internacionalmente ao interpretar uma adolescente grávida no filme "Juno", de 2007, papel pelo qual foi indicado ao Oscar e ao Globo de Ouro. Também teve papéis em blockbusters como "A Origem" (2010) e "X-Men: Dias de Um Futuro Esquecido" (2014).

Atualmente estrela a série da Netflix "The Umbrella Academy".

ENTREVISTA COM BOLSONARO

Em 2016, Page entrevistou o então deputado federal Jair Bolsonaro para a série documental Gaycation, do canal Viceland, sobre as declarações dele em relação a homossexuais, como "ter filho gay é falta de porrada".

Na entrevista, Bolsonaro rejeita que seja homofóbico. "Eu sou rotulado como um dos maiores homofóbicos aqui do Brasil. Isso não procede. A minha briga sempre foi e será contra a distribuição do material escolar para o público a partir de seis anos de idade."

Mas na sequência, ele fala sobre se dar "corretivos" em crianças que têm um comportamento "não normal". Page diz a Bolsonaro que é gay e pergunta então, se por esse critério do então deputado, ele deveria ter sido espancado quando criança.

"Eu não vou olhar para a tua cara e dizer que você é gay, para mim não interessa", diz Bolsonaro. "Muito simpática. Se eu fosse cadete militar das Agulhas Negras, se eu te encontrasse na rua, eu iria assobiar para você. Tá ok? Muito bonita."

Page fica em silêncio, enquanto Bolsonaro sorri, mas depois segue em tom sério: "Eu acredito que boa parte dos gays é comportamental (sic). Quando eu era jovem, falando em percentual, existiam poucos."

"Com o passar do tempo, com as liberalidades, as drogas e as mulheres trabalhando, aumentou bastante o número de homossexuais", diz. "Eu costumo dizer também que se um filho começa a andar com certas pessoas que têm comportamentos, ele vai ter aquele tipo de comportamento. Vai achar que é normal."

Page então diz que esse é o problema: Bolsonaro não achar normal que uma pessoa seja gay. E Bolsonaro responde: "Quando um filho está muito violento, novo, né, dando um corretivo nele, ele deixa de ser violento. Por que o contrário não vale? Se você estimular desde criança e mostrar que é normal isso, não é normal aquilo, seja lá o que for normal, a criança vai praticar aquilo."

O então deputado federal disse também a Page: "Você foge, me desculpa aqui, à normalidade, e nós temos que ter um norte aqui no Brasil. Você beira, com todo respeito a você, à teoria do absurdo, até porque você, com a sua companheira, não geram filhos. Se for gerar, vai depender de algo doado por nós héteros, nós homens. Eu não vou brigar contigo agora e te transformar em hétero. E nem você me transformar em homo. Vamos levar nossa vida."

Page responde que não busca transformar ninguém em homossexual, mas sim garantir o bem-estar de pessoas que vivem depressivas ou com tendências suicidas por não poderem sair do armário e/ou serem alvo de discriminação.

'ESTOU CANSADO DE ME ESCONDER'

Page anunciou ser gay em 2014, durante um evento em Las Vegas: "Eu estou cansado de me esconder e estou cansado de mentir por omissão". Anos depois se casou com a coreógrafa Emma Portner, que é uma importante defensora dos direitos LGBT.

O anúncio de Page desta terça-feira (1º) gerou ampla repercussão nas redes sociais. "Elliot Page nos deu personagens fantásticos na tela e tem sido um defensor franco de todas as pessoas LGBTQ", disse Nick Adams, diretor de mídia transgênero do grupo de defesa GLAAD.

"Ele agora será uma inspiração para inúmeras pessoas trans e não binárias. Todas as pessoas trans merecem a chance de ser nós mesmos e de serem aceitos por quem somos. Celebramos o notável Elliot Page hoje." Em seu perfil no Twitter, a Netflix escreveu: "Tão orgulhosa de nosso super-herói."

ANÁLISE DE BEN HUNTE, REPÓRTER DE ASSUNTOS LGBT DA BBC NEWS

No Reino Unido, várias pessoas trans me disseram que o anúncio de Elliot Page aconteceu em um "momento bastante necessário".Esta notícia, de uma estrela de Hollywood, que agora se torna um das artistas trans mais famosas do mundo, aconteceu em um grande dia para os direitos dessa comunidade no Reino Unido.

Neste 1º de dezembro, um imbróglio jurídico sobre medicamentos que bloqueiam a puberdade finalmente chegou ao fim, e o resultado foi classificado por instituições filantrópicas como uma "reversão" dos direitos trans e como um "momento catastrófico" para as pessoas trans.

Na declaração de Elliot Page, ele mencionou como agora lutará por uma melhor saúde dessas pessoas.

Desde que se assumiu como gay em 2014, Page passou a ser conhecido como um dos atores LGBT de postura mais franca de Hollywood. Em seu discurso viral em 2014, disse "Eu sofri por anos porque estava com medo de sair do armário... E estou aqui hoje, com todos vocês, do outro lado de toda aquela dor."

BBC News Brasil
Final do conteúdo

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem