Celebridades

Kanye West foca religião em primeiro vídeo de campanha à Presidência dos EUA

Rapper pede que eleitores escrevam seu nome nas cédulas quando estiver ausente

Kanye West em seu 1° comício em apoio à sua candidatura presidencial em North Charleston, Carolina do Sul, em julho passado
Kanye West em seu 1° comício em apoio à sua candidatura presidencial em North Charleston, Carolina do Sul, em julho passado - Randall Hill-19.jul.2020/Reuters
Jill Serjeant

Kanye West publicou nesta segunda-feira (12) o primeiro vídeo oficial de sua campanha improvável para se eleger presidente dos Estados Unidos em 3 de novembro se concentrando na religião e nas famílias.

O rapper de 43 anos, que lançou sua campanha para a Casa Branca com declarações erráticas em suas redes sociais em julho, está na cédula oficial em alguns estados, de acordo com a mídia norte-americana, mas não tem chance matemática de vencer.

No vídeo desta segunda, o músico e estilista pediu aos apoiadores que inscrevam seu nome na cédula quando estiver ausente. "Voltando-nos à fé, seremos o tipo de nação, o tipo de povo que Deus pretende que sejamos", disse ele no vídeo, que mostra famílias rezando e imagens da natureza.

O vídeo foi a primeira iniciativa de Kanye, outrora um dos maiores apoiadores do presidente Donald Trump entre celebridades, que o fez ser visto como um concorrente sério à Presidência. Ele não fez muita campanha com a sigla que criou, o Partido do Aniversário, e as preocupações com sua saúde mental aumentaram.

Em 2018, o intérprete de "Heartless", que ganhou 21 prêmios Grammy, disse sofrer de transtorno bipolar. Alguns analistas políticos acreditam que sua candidatura pode desviar alguns apoiadores negros do democrata Joe Biden na eleição presidencial.

Kanye gastou cerca de US$ 5,8 milhões (R$ 32,1 milhões) com sua campanha neste ano, de acordo com registros da Comissão Eleitoral Federal, e a maior parte dos fundos vem de um empréstimo de US$ 6,7 milhões (R$ 37,1 milhões) do próprio artista.

Reuters
Final do conteúdo

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem