Celebridades

Taís Araújo e Lázaro Ramos dizem que nunca conheceram tão bem os filhos como agora

'Se não separar na pandemia não separa mais', brinca o ator

O casal Lázaro Ramos e Taís Araújo - Mathilde Missioneiro/Folhapress
São Paulo

A quarentena do casal Taís Araújo, 41, e Lázaro Ramos, 41, casados há 15 anos, tem sido interessante. De acordo com eles, esses cinco meses dentro de casa por causa da pandemia fizeram com que eles se conectassem ainda mais com os filhos.

“Nunca conhecemos tanto nossos filhos como agora”, diz Ramos. O casal tem João, 9, e Maria Antônia, 5. Ambos, aliás, têm tido dificuldades de estudar de forma online e são os pais quem precisam ralar para fazer com que eles tenham o melhor aproveitamento possível.

De acordo com Lázaro, a relação com a esposa também se fortaleceu. “É preciso saber calar. A dica da quarentena é isso: calar e ouvir mais. Se não separar agora não separa mais”, diverte-se ele que em setembro estreará um capítulo de uma série, "Amor e Sorte", com a esposa sobre o momento que vivemos. Eles gravaram tudo de casa.

Para Taís, ter o Lázaro em casa a ajuda no dia a dia já que ele é mais organizado e tem levado melhor a quarentena e o isolamento social. “Ele é mais equilibrado emocionalmente do que eu. A pessoa olha para mim e já sabe se estou mal. Ele leva tudo na serenidade. Então é a cada dia um aprendizado. Em casa não consigo ficar 100% concentrada no que faço”, avalia.

A atriz se prepara para retornar às gravações fora de casa da novela “Amor de Mãe” (Globo) com todos os cuidados possíveis ainda este mês. Por isso que ela já está organizando tudo em casa para que possa ficar fora. Claro que o trabalho de cuidar dos filhos ficará com o marido.

“No início da pandemia eu fiquei apavorada. A convivência excessiva, preocupação com meus pais, as crianças em casa. Estava numa loucura da limpeza querendo dar conta da casa. Mas com o tempo aprendi a lidar com tudo e entender que podemos ter uma vida mais enxuta e simples”, completa a atriz.

Final do conteúdo

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem