Celebridades

'Fanatismo religioso mata', diz a cantora gospel Priscilla Alcântara sobre caso de estupro

Ex-apresentadora do Bom Dia e Cia comentou sobre o caso da menina de dez anos

Retrato de Priscilla Alcântara
Retrato de Priscilla Alcântara - Lucas Seixas/UOL
São Paulo

Priscilla Alcântara , 24, usou suas redes sociais neste domingo (16) para expressar sua indginação e reprovação aos religiosos que se mobilizaram na frente do Centro Integrado de Saúde Amaury de Medeiros (Cisam-UPE), na zona norte de Recife, contra o aborto em uma menina de dez anos estuprada pelo tio.

A cantora gospel disse não concordar com a atitude dos fiés e desabafou. "O crente (incluindo eu) precisa urgentemente rever as prioridades do Evangelho", escreveu Alcântará no Twitter. Ela também completou a mensagem dizendo: "O fanatismo religioso mata."

Segundo ela, ninguém vai a impedir de pregar o amor". "Meu ímpeto não pode matar a minha sabedoria. Mas eu juro que vou dar a minha vida pra que Cristo e o Amor sejam representados devidamente. Eu juro. E quando eu estiver fazendo merda, que esse mesmo Cristo me repreenda", escreveu a ex-apresentadora do Bom Dia e Cia (SBT).

A Justiça do Espírito Santo deu aval para que a menina de 10 anos interrompa a gestação. O procedimento foi realizado na noite deste domingo e virou um dos assuntos mais comentados nas redes sociais.

A atriz Bruna Marquezine também usou o Twitter para compartilhar sua indiginação. "E não tem nenhum religioso na porta da delegacia exigindo a prisão do monstro criminoso que estuprou a sobrinha e está foragido. A religiosidade é uma doença. Estamos falando de um criança de 10. Isso não é ser pró-vida, isso é ser ignorante, limitado e cruel."

Confira:

Final do conteúdo

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem