Celebridades
Descrição de chapéu BBC News Brasil Cinema

Chadwick Boseman: as homenagens feitas ao ator de 'Pantera Negra', que morreu de câncer aos 43 anos

O ator Chadwick Boseman em premiação do Oscar de 2019
O ator Chadwick Boseman em premiação do Oscar de 2019 - Robyn Beck-24.fev.2019/AFP

Muitas homenagens estão sendo feitas ao ator americano Chadwick Boseman, que morreu nesta sexta (28) aos 43 anos, vítima de câncer. Boseman, que tinha uma longa e celebrada carreira no cinema, atingiu fama mundial ao interpretar o rei T'Challa, superherói do filme "Pantera Negra" (2018) da Marvel.

O grito de guerra de Pantera Negra, 'Wakanda Forever' (Wakanda Para Sempre) tomou as redes sociais na sexta, com celebridades, ativistas de direitos civis e fãs postando mensagens emocionadas. No filme, Wakanda é uma nação africana super desenvolvida e tecnológica, que não sofreu empobrecimento por ter escapado da colonização europeia.

O diagnóstico de câncer de Boseman não era publicamente conhecido. Após sua morte, se tornou público o fato de que ele gravou "Pantera" Negra e outros filmes de super-heróis, como "Vingadores: Ultimato", quando já estava doente, entre cirurgias e sessões de quimioterapia. Com diversas cenas de ação, os filmes exigem grande esforço físico dos atores.

"Isso é um golpe devastador", escreveu o diretor Jordan Peele. "Que alma gentil e talentosa (ele era). Nos mostrando toda aquela grandeza entre cirurgia e quimioterapia. Isso é que é dignidade", escreveu a apresentadora Oprah Winfrey.

O filho mais velho do ativista pelos direitos civis Martin Luther King Jr, disse que Boseman "trouxe a história à vida" ao interpretar muitos homens negros proeminentes, incluindo o cantor de soul James Brown.

Ava DuVernay, diretora de documentáriso e filmes premiados, como Selma, sobre a luta dos negros por direitos nos anos 1960, desejou: "Que você tenha um bonito retorno, Rei".

Muitos fãs e personalidades escreveram sobre o quão importante o filme "Pantera Negra" foi para seus filhos, que idolatram o personagem de Boseman. No ano passado, Boseman disse que o filme mudou o que significa ser "jovem, talentoso e negro".

Ele é o porquê "nossos filhos não precisam sonhar com o que seria um super-herói negro", escreveu o autor americano Brian Josephs.

O premiado músico John Legend chamou Boseman de "uma luz brilhante [que] trouxe graça, elegância e poder a tudo o que ele fez. Ele sempre pareceu carregar nossos ancestrais com ele".

Várias pessoas no Twitter chamaram a atenção para o trabalho que Boseman produziu enquanto vivia com câncer de cólon, após ser diagnosticado em 2016. "Durante esse tempo, ele nos deu 'Capitão América: Guerra Civil', 'Marshall', 'Pantera Negra', 'Vingadores: Guerra Infinita', 'Vingadores: Ultimato', 'Crime sem Saída' e 'Da 5 Bloods: Irmãos de Armas'", escreveu a jornalista Jemele Hill.

Hollywood também prestou homenagem ao ator, incluindo a Marvel Studios, que criou o "Pantera Negra", bem como a Disney e o Oscar, que o chamou de "uma perda incomensurável".

Outras estrelas da Marvel compartilharam seus sentimentos de perda e luto no Twitter e no Instagram. Mark Ruffalo, que interpreta o Hulk, escreveu "tudo o que tenho a dizer é que as tragédias que se acumulam este ano só se tornaram mais profundas com a perda de Chadwick Boseman."

Tom Holland, que atualmente interpreta o Homem-Aranha, disse que o ator era "ainda mais herói fora das telas" e o chamou de modelo para milhões de pessoas ao redor do mundo.

BBC News Brasil
Final do conteúdo

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem