Celebridades

Pedro Scooby rebate críticas após posar com máscara: 'Atingindo as classes'

'Fome mata mais do que o coronavírus e nunca vi ninguém fazendo essa movimentação', diz

Pedro Scooby - Instagram/pedroscooby
São Paulo

Por meio de uma série de vídeos em seu Instagram, Pedro Scooby, 31, rebateu as críticas que recebeu após ter publicado uma foto usando máscara de proteção respiratória em uma festa, em meio à pandemia do coronavírus.

"Ontem eu postei uma foto com uma máscara e falei que o coronavírus não ia me parar. Obviamente veio uma enxurrada de críticas e julgamentos e preocupações. Para começar, acho que um dos motivos das pessoas se preocuparem tanto com isso, é porque está atacando os ricos, também. Está atingindo todas as classes", começou ele.

"A fome no mundo mata mais do que o coronavírus e nunca vi ninguém fazendo toda essa movimentação mundial por causa da fome. A guerra do tráfico aqui no Rio de Janeiro, por exemplo, mata mais do que a guerra da Síria e eu nunca vi essa mobilização brasileira e nem mundial por causa disso. Porque o problema não está no tráfico, está no político, no policial corrupto, que está se beneficiando com a guerra do tráfico", continuou.

Scooby ainda disse que seria difícil educar a população do Brasil e pedir para que ela fique em casa, pois trata-se de um país de pouco recursos públicos, de saúde e educação.

"Sabe o que está acontecendo no Rio de Janeiro? A praia está lotada. Não só a praia, também os restaurantes, algumas festas, alguns eventos", desabafou. "Eu fui criado no subúrbio do Rio. Vi vários amigos meus indo para o caminho errado por falta de oportunidades e por falta de educação, também. Várias outras pessoas morrendo por bala perdida, por saúde, fome. Por outros vírus, também, como H1N1".

No final do vídeo, ele frisou que acredita que é preciso se importar com o coronavírus, mas que quis comparar a atenção que o caso está recebendo à de outros problemas do Brasil, que afetam apenas os pobres.

Final do conteúdo

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem