Celebridades

'Foi a maior dor que senti em 52 anos de vida', diz padre Marcelo Rossi sobre empurrão em missa

Para sacerdote, foi milagre não ter se machucado na queda de dois metros de altura

Padre Marcelo Rossi na Itália
Padre Marcelo Rossi na Itália - Martin Gurfein/Divulgação
São Paulo

"Foi a maior dor que eu já senti em 52 anos da minha vida". Essa é uma das lembranças mais fortes que padre Marcelo Rossi tem do dia 14 de julho de 2019, quando uma mulher invadiu o altar onde ele celebrava uma missa em Cachoeira Paulista (a 212 km de São Paulo) e o empurrou do palco. 

É só agora, cinco meses depois do acidente, que o sacerdote afirma que começa a entender a dimensão do que aconteceu. No início de dezembro, ele voltou ao local de onde caiu (que tem uma altura de quase dois metros) e diz não ter dúvidas de que viveu um milagre. 

"Não tem explicação, era para, no mínimo, eu ter me estourado todo ou estar tetraplégico ou não estar aqui (...) Não tenho dúvida nenhuma que foi um milagre", afirma em entrevista ao F5.  

Apesar da dor "que só de imaginar arrepia", ele conta que também teve uma força muito grande para voltar ao altar e continuar a rezar a missa. "Tinha dor? Tinha. Mas dentro do coração eu tive uma força, primeiro de perdão. Eles falavam em B.O., mas eu sou padre, a minha delegacia é a capela, o meu B.O. é Bíblia e oração."

Rossi afirma que, em nenhum momento, sentiu raiva da mulher que o empurrou, porque estava muito agradecido a "Deus pela vida". "Não é humano, não é possível alguém jogar com uma força tão grande...Depois eu vi o tamanho da pessoa, que tem a metade do meu tamanho, e fiquei mais impressionado ainda", afirma. 

O sacerdote diz ter certeza que o fato de ter perdoado a responsável pelo empurrão logo após o acidente foi fundamental para que ele não tivesse nenhuma sequela. "Se tinha alguma coisa quebrada no meu corpo, tenho certeza que lá eu fui curado [ao continuar a missa]."

A força do perdão, aliás, será um dos capítulos do livro que ele pretende lançar em 14 de julho de 2020, e que vai abordar toda a experiência que viveu naquele dia. Para Rossi, o empurrão serviu como um "chacoalhão" para ele valorizar mais a própria vida e seguir no seu trabalho. O sacerdote conta que, desde então, ganhou um novo entusiasmo, que já se reflete em novos projetos, como o lançamento do EP "Maria Passa à Frente." 

Ele só foi ao hospital dois dias depois do acidente e, após muitos exames, a única coisa recomendada pelos médicos foi arnica para o ralado que ele fez na perna ao cair na grade de ferro que estava no local. 

Questionado se chegou a se encontrar com a mulher que o empurrou, ele disse que não, mas que não teria problemas em conversar com ela. Detida pela polícia, a mulher (que teve o seu nome preservado) afirmou que sofre de transtorno bipolar e está em tratamento psiquiátrico.

ACUSAÇÃO DE PLÁGIO E MUDANÇA DE RÁDIO

Antes do acidente, padre Marcelo Rossi já tinha passado por outros desafios em 2019. Em abril, decisão judicial chegou a suspender a venda do livro "Ágape" (2010) por violação de direito autoral. A escritora Izaura Garcia de Carvalho Mendes dizia que o sacerdote tinha plagiado um trecho da obra, que teria sido escrito por ela.  

No mês seguinte, porém, a decisão foi revertida e a Polícia Civil do Rio de Janeiro chegou a prender a escritora e duas advogadas que a defendiam no caso por suspeita de fraude na acusação. 

Mendes acionou a Justiça afirmando que o trecho “Perguntas e Respostas - Felicidade! Qual É?”, de "Ágape", era de autoria dela e que havia sido publicado em seu livro, “Nunca Deixe de Sonhar”, de 2002. Na obra do padre Marcelo, a autoria do trecho é atribuída a madre Teresa de Calcutá. 

A polícia iniciou uma investigação e concluiu que o registro de autenticidade apresentado pela escritora era falso. “Nós não precisamos de um exame muito aprofundado para identificar que ele foge muito do padrão adotado pela Biblioteca Nacional”, afirmou Igor Calaça Martins, coordenador do Escritório de Direitos Autorais da biblioteca ao programa Fantástico (Globo).

Após a prisão da escritora, o mesmo tribunal acatou um novo recurso para que o padre e a editora Globo recebam os valores perdidos com a falta de distribuição do livro e, ainda, que sejam indenizados por danos moral no valor de R$ 50 mil. Mendes e as advogadas respondem à acusação em liberdade. 

Além do problema com o livro, após 17 anos na rádio Globo, onde apresentava o programa Momento de Fé, ele mudou de emissora. Foi para a rádio Capital e passou a comandar a atração No Colo de Jesus e Maria, de segunda a sábado, das 8h às 9h. Além do sacerdote, a rádio Globo dispensou nomes como  Adriane GalisteuFernanda Gentil, Maju Coutinho, Marcos Veras e Rosana Jatobá.   

Padre Marcelo Rossi contou que, inicialmente, não estava muito feliz com a mudança do nome do seu programa no rádio, já que por quase duas décadas ele usou Momento de Fé. Mas, depois do empurrão, entendeu que a nova denominação fazia muito sentido. "Aí entendi, nossa, foi por isso que Deus quis mudar o nome [do programa] para No Colo de Jesus e Maria."   

 

Final do conteúdo

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem