Celebridades

Felipe Neto doa dinheiro a fãs após superar meta de 35 milhões de assinantes no YouTube

Youtuber fez transferência de R$ 500 a quem pedia ajuda pelo Twitter

O youtuber Felipe Neto
O youtuber Felipe Neto - Reprodução
São Paulo

Depois da distribuição de livro com tema LGBT na Bienal do Livro, Felipe Neto, 31, surpreendeu nesta terça-feira (19) ao anunciar que faria uma distribuição de dinheiro a quem lhe pedisse em virtude da meta superada em número de assinantes em seu canal no YouTube. 

O youtuber ultrapassou a marca de 35 milhões de seguidores na plataforma de vídeos, e começou a doar R$ 500. Ele usou o aplicativo Picpay, uma carteira eletrônica que é carregada com cartão de crédito e pode ser usada para transferir dinheiro a amigos, na campanha.

Neto, explicou por meio de sua assessoria de imprensa, que a iniciativa foi dele e não envolveu acordo com uma empresa. Mais de 70 pessoas receberam a doação do youtuber.

Em minutos, seus seguidores passaram a contar as suas histórias com a hashtag #FelipeNeto35Milhoes. Dinheiro para casar, para fazer cirurgia, uma reforma em casa e até para se alimentar entrou na lista de pedidos dos internautas. 

No final do dia, ele disse que tinha encerrado as doações e que tentou ajudar "o maior número de pessoas possível", mas não divulgou o valor total distribuído. 

BEIJO GAY

Em setembro deste ano, Felipe Neto comprou 10 mil livros com tema LGBT na Bienal do Livro, no Rio de Janeiro, para distribuir ao público. Ele tomou a decisão ao saber que as obras poderiam sofrer censura da prefeitura da cidade. 

Na época, o prefeito do Rio, Marcelo Crivella, anunciou em seu Twitter que censuraria a HQ "Vingadores - A Cruzada das Crianças", que estava sendo vendida na Bienal. A história em quadrinho traz dois homens se beijando —o que Crivella considera pornografia e, portanto, atentaria contra o Estatuto da Criança e do Adolescente.

A prefeitura do Rio notificou extrajudicialmente a Bienal, não pedindo o recolhimento dos livros, mas dizendo que os exemplares de “Vingadores” fossem lacrados e viessem com uma classificação indicativa ou aviso de que há material ou cenas impróprios para menores de idade. ​

Final do conteúdo

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem