Celebridades

Assessora de Felipe Titto diz que se sentiu impotente por agressão de motorista da 99

Uma delas acaba de passar por cirurgia e espera alta do hospital

Equipe de Felipe Titto é agredida por motorista de aplicativo
Equipe de Felipe Titto é agredida por motorista de aplicativo - Montagem
São Paulo

Produtoras que trabalham com o ator Felipe Titto, 33, afirmam ter sido agredidas por um motorista do aplicativo 99, nesta quinta-feira (7), em São Paulo. A assessora Jéssica Varrasquim Caetano chegou a levar um murro do motorista e teve o nariz fraturado, e a advogada Thatiane Soares, foi atropelada ao descer do carro. Outra assessora, Elaine Melo, sofreu arranhões no peito e nos braços.

As duas pediram uma corrida em Pinheiros (zona oeste) para seguir para a Expo Imigrantes (zona sul) onde o Titto faria uma palestra. Elas contam que ele dirigia de maneira perigosa e freiava bruscamente. Elas pediram para parar o carro, mas ele se negou.

Assim que a corrida terminou, Thatiane abriu a porta para descer e ele passou por cima do pé dela com a roda do carro. A partir daí, começaram mais agressões, e a assessora ainda recebeu chutes do motorista. Ao tentar ajudar a colega, Jéssica levou um soco do motorista, e Elaine ficou tentando apartar a briga. 

"Ainda estou com raiva. É aquela sensação de impotência que a gente sente, apesar de eu ter sido a menos agredida. Estou sentindo as dores da tensão muscular de segurar o homem. A Jéssica acabou de sair da cirurgia e estamos esperando se ela tem a alta. A Thatiane teve que ficar de repouso, e tem que manter as pernas em repouso, contou Elaine, em entrevista ao F5

 As três produtoras devem registrar boletim de ocorrência assim que forem liberadas do hospital. A Secretaria de Segurança Pública informou que, até o início desta manhã, ainda não tinha novas informações sobre o caso ou a identidade do motorista que cometeu a agressão.

No perfil, o motorista (veja foto abaixo) é chamado de Louis e ele trabalha com carro alugado, segundo informou a assessoria de Felipe Titto. Ele não é brasileiro, embora as vítimas não tenham conseguido identificar a nacionalidade do condutor.

Elaine relata que as três usaram o aplicativo 99 por ser parceira da empresa que trabalham. "Como já sofri assédio, em viagens particulares, eu prefiro pedir apenas serviços com motoristas femininas", conta Elaine. 

À Globo, Titto disse que elas ligaram para ele pedindo ajuda. "Abortei a missão no evento, e fui socorrê-las", relatou o ator.

 

Titto disse que não "vai deixar passar" o caso, pois não se trata apenas de um má educação, mas de um crime. 

Foto do motorista da 99 que agrediu assessoras de Felipe Titto
Foto do motorista da 99 que agrediu assessoras de Felipe Titto - Reprodução

OUTRO LADO

A 99 divulgou uma nota oficial sobre o caso. A empresa afirma que vai cobrir todas as despesas hospitalares das vítimas e o vai disponibilizar o serviço de um carro para que elas possam se locomover com segurança. Elaine, uma das vítimas, confirmou que a empresa está prestando esses serviços. 

Em relação ao motorista, ele "foi banido do aplicativo e a 99 está disponível para colaborar com as investigações da polícia". Em nota, eles ainda reforçaram que "investem continuamente em educação para prevenir esse tipo de situação. Por isso, orienta e sensibiliza seus condutores em treinamentos presenciais e online para estimular os motoristas a terem uma postura de respeito e gentileza com todos." 

A empresa ainda diz que "lamenta profundamente o caso e reitera que repudia veemente esse tipo de violência" e divulgou um número para que usuários que passem por situações semelhantes denunciem ligando para telefone 0800-888-8999.

Final do conteúdo

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem