Bichos

Morre, aos 54 anos, o rinoceronte-branco mais velho do mundo

Toby vivia em um zoológico no norte da Itália

Rinoceronte-branco caminha em gramado
'Nonno Toby' morreu no dia 6 de outubro - Reprodução/Parco Natura Viva
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Roma

Toby, o rinoceronte-branco mais velho do mundo, morreu aos 54 anos em um zoológico no norte da Itália, informou uma porta-voz do estabelecimento nesta terça-feira (12).

"Nonno Toby" morreu em 6 de outubro, disse à AFP Elisa Livia Pennacchioni, do Parco Natura Viva, um zoológico perto da cidade de Verona, no norte do país.

"Ele desmaiou no caminho de volta para seu abrigo noturno e depois de cerca de meia hora seu coração parou", contou.

Toby será embalsamado e exibido no museu de ciências MuSe de Trento, onde se juntará a Blanco, um leão branco do zoológico que morreu há cinco anos, disse Pennacchioni.

Rinocerontes-brancos normalmente vivem até os 40 anos quando em cativeiro e até 30 anos na natureza.

A morte de Toby, após o falecimento de sua companheira Sugar em 2012, deixa o Parco Natura Viva com apenas um rinoceronte-branco: Benno, de 39 anos.

Rinoceronte-branco com outros animais em meio a árvores
O rinoceronte-branco Toby no Parco Natura Viva, na Itália - Reprodução/Parco Natura Viva

Toby era um rinoceronte-branco do sul, que depois do elefante é o maior mamífero terrestre, medindo até dois metros de altura e quatro metros de comprimento e pesando mais de 3.500 kg.

Pertence a uma das cinco espécies de rinocerontes que não são consideradas ameaçadas de extinção, com uma população estimada em cerca de 18 mil, de acordo com a organização WWF.

No entanto, apenas dois espécimes da subespécie do rinoceronte-branco do norte sobrevivem no mundo, em uma reserva natural do Quênia, que são monitorados 24 horas por dia por guardas armados, disse o grupo ambientalista.

Final do conteúdo
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem