Bichos

Ministério Público investigará jovem picado por naja; ele já teve alta

Pedro Henrique Krambeck estuda veterinária

Pedro Henrique Santos Krambeck Lehmkul, de 22 anos, foi picada por uma cobra da espécie Naja, no DF. é estudante de medicina veterinária, e estava em uma chácara quando foi picado pelo animal, de 1,5 de comprimento - Reprodução/Globo
São Paulo

O Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT) deverá investigar o jovem estudante Pedro Henrique Krambeck, 22, picado por uma cobra naja. O ministério está acompanhando o caso, que ainda está sob investigação policial, e aguarda a conclusão do inquérito para tomar as medidas cabíveis.

O jovem, estudante de medicina veterinária, deverá ser ouvido ainda nesta semana já que foi denunciado pelo Ibama. Ele teve alta do hospital e já está em casa.

O Batalhão de Polícia Militar Ambiental (BPMA) do Distrito Federal encontrou na tarde desta quinta-feira (9) 16 cobras exóticas que estavam escondidas no núcleo rural Taquara, no Distrito Federal. A apreensão foi feita após uma denúncia anônima. A suspeita é de que todas elas pertençam ao estudante de veterinária Pedro Henrique Santos Krambeck Lehmkul que, na noite de terça-feira (7), foi mordido por uma cobra da espécie naja, que também pertenceria a ele.

Os animais apreendidos agora estão sendo levados para a delegacia do Gama (cidade satélite de Brasília) e, de lá, serão encaminhadas para o Ibama (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis) para que seja realizada a identificação das espécies.

A naja, responsável por picar o jovem, ganhou um perfil no Twitter neste sábado (11), que já acumulava mais de 38 mil seguidores.

As publicações do perfil, de tom sarcástico, mostram montagens, memes e mensagens cômicas, em grande parte relacionadas ao tratamento inadequado de animais.

Depois de morder Pedro, a naja ficou desaparecida por quase 24 horas. Ela foi localizada no começo da noite de quarta-feira (8), por volta de 19h, no Setor de Clubes de Brasília, próxima a um shopping center, após o testemunho de diversas pessoas. Ela estava dentro de uma caixa e escondida atrás de um morro de areia.

Final do conteúdo

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem