Aviso
Este conteúdo é para maiores de 18 anos. Se tem menos de 18 anos, é inapropriado para você. Clique aqui.

Você viu?
Descrição de chapéu Natal

Papai Noel tem seu rumo rastreado por comando militar americano na noite de Natal

Saiba como acompanhar o trajeto do bom velhinho na noite do dia 24

NORAD monitora Papai Noel desde os anos 1950
NORAD monitora Papai Noel desde os anos 1950 - Reprodução/@noradtrackssanta_official
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

São Paulo

Todos os dias do ano, durante 24 horas ininterruptas, o Comando Norte-Americano de Defesa do Espaço Aéreo (Norad) tem como tarefa monitorar tudo o que voa dentro e ao redor da América do Norte para defender a região de qualquer possível ameaça.

Porém, no dia 24 de dezembro, o comando militar binacional formado por Estados Unidos e Canadá muda de missão e começa a rastrear o trajeto do Papai Noel e suas renas até a casa das crianças em todo o mundo. Para isso, usa os mesmos sistemas de satélite, radares de alta potência e caças a jato do dia a dia.

O rastreamento pelo Norad começou a ser feito em 1958, mas esse trabalho já era realizado desde 1955 pelo Comando Continental de Defesa Aérea (Conad), depois substituído pela organização atual.

A tradição começou depois que um anúncio informava às crianças um número de telefone que seria do Papai Noel, mas que, por um erro, acabou por ser o número do comando da tripulação da Força Aérea americana. Como muitas crianças começaram a ligar, a princípio o próprio coronel dizia que ele era o Bom Velhinho. Mas, depois, ele designou um outro oficial para continuar a responder pelas chamadas sem frustrar cada criança que ligava.

De acordo com o próprio site da organização, há 47 radares instalados no norte do Canadá e no Alasca. Dessa forma, todas as vezes que chega o Natal, o Norad verifica cada um deles à procura de indícios de que o Papai Noel esteja saindo do Polo Norte. Então, quando o radar indica que o Bom Velhinho partiu, são utilizados os satélites que verificam possíveis ataques de mísseis para fazer esse monitoramento.

E engana-se quem pensa que o trabalho acaba por aí. Todos que acreditam no Papai Noel podem acompanhar em tempo real a viagem planetária dele por meio do site da organização e suas redes sociais como Facebook, YouTube e Instagram.

"Mais de 1.250 militares e civis canadenses e americanos do Departamento de Defesa voluntariam seu tempo no dia 24 de dezembro para atender os milhares de telefonemas e responder aos inúmeros e-mails que chegam como uma enxurrada, vindos de todas as partes do mundo", diz trecho do site.

A viagem do Papai Noel começa logo nas primeiras horas da manhã da véspera do Natal. De acordo com os estudos e a experiência da organização que o rastreia há mais de 60 anos, o trajeto começa pelo Oceano Pacífico, mais precisamente pelo sul do Pacífico. Historicamente, ele começa visitando países como a Nova Zelândia e a Austrália.

Depois, ruma sentido Japão, passa pela Ásia, cruza a África e chega ao oeste da Europa. Em seguida vai ao Canadá, Estados Unidos, México e para a América Central. Quando o Papai Noel chega aos EUA e Canadá, pilotos de caça usam suas aeronaves para lhe escoltar e dar as boas vindas.

Por fim, é a vez de as crianças do Brasil e da América do Sul como um todo receberem a tão esperada visita, que geralmente ocorre entre as 21h e 0h do dia 24 para o dia 25 de dezembro. Mas também há um segredo para que esse monitoramento dê certo: há um sistema infravermelho na ponta do nariz de uma das renas.

No site do Norad, além de acompanhar o trajeto, o público pode escutar músicas destinadas ao Natal, jogar, ler sobre as tradições natalinas e comprar produtos.

GOOGLE

O Google também faz um serviço semelhante de monitoramento em tempo real do Papai Noel no Natal. No site, além da contagem regressiva para começar o rastreio do trajeto, há alguns jogos para entreter a criançada.

O sistema é bastante colorido e interativo e mostra o Papai Noel se preparando para sair do Polo Norte em sua missão. Ele sai voando com as renas entregando os presentes mundo afora.

Quem estiver acompanhando em tempo real o trajeto também consegue saber a quantidade de presentes que já foram entregues por ele às crianças.

VER PELA TV

Durante a noite de Natal, as famílias podem colocar o serviço de acompanhamento do Papai Noel passando na TV.

Para isso, é possível parear o celular ou tablet para que a imagem do rastreio seja projetada na TV. É preciso pesquisar no manual da sua televisão como fazer isso. Em alguns casos, dá para buscar nos ajustes do seu smartphone o ícone de pareamento e selecionar o modelo da sua televisão. Aplicativo com o nome da Norad nas lojas de Android e IOS também podem ser baixados gratuitamente.

Outra opção é acessar o site do Norad ou o serviço do Google direto do navegador de internet da SmarTV, desde que ela tenha essa funcionalidade e seja compatível.

TRADIÇÃO DO PAPAL NOEL

Parte importante do Natal moderno, Papai Noel ou Pai Natal tem uma origem, segundo a BBC, que remonta a tradições cristãs e europeias. Mas a imagem dele como conhecemos hoje foi popularizada por fabricantes de cartões natalinos americanos no século 19.

Tradicionalmente, o personagem visita as casas à meia-noite da véspera de Natal, descendo pela chaminé para entregar os presentes, colocando-os dentro das meias que as crianças deixam penduradas.

Algumas tradições ao redor do Pai Natal também precedem o cristianismo. Seu trenó, puxado por renas, vem da mitologia escandinava. A prática de deixar tortas e leite ou conhaque para o Papai Noel pode ser remanescente de sacrifícios pagãos que marcavam a chegada da primavera.

Nos EUA, a figura do Santa Claus tem seu nome derivado de São Nicolau que, segundo a tradição, costumava entregar anonimamente sacos de ouro para um homem que não tinha dinheiro para pagar o dote de casamento de sua filha. Algumas versões da história afirmam que o santo jogava as sacolas de ouro pela chaminé.

Final do conteúdo
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem