Você viu?

Ex-pastora diz que ser stripper é mais saudável que ambiente religioso

Nikole Mitchell diz faturar mais de R$ 500 mil por mês no OnlyFans

Nikole Mitchell - Instagram/nikolemitchellofficial
São Paulo

Após deixar de se pastora em uma igreja em Ohio (EUA) e começar a trabalhar como stripper, Nikole Mitchell, 36, disse que a sua vida melhorou muito e que ela até se tornou uma mãe melhor.

Em entrevista ao podcast Holly Randall Unfiltered, ela contou que abriu uma conta no site de conteúdo adulto OnlyFans em 2019, e hoje fatura cerca de US$ 100 mil por mês (em torno de R$ 528 mil).

“Sinto que o trabalho que eu faço na indústria do sexo é muito mais saudável mentalmente do que o ambiente religioso e a mentalidade religiosa em que eu cresci. Nenhum ambiente é mais tóxico quando o assunto é sexo, corpos, etc. do que a igreja. Fazendo um apanhado de tudo, acredito que estou oferecendo para os meus filhos um presente melhor”, afirmou.

Mitchell afirmou durante o programa, que depois da sua mudança de trabalho, ela passou a ter mais liberdade para conversar com os seus três filhos sobre sexo, consentimento e relacionamentos, temas que eram proibidos para ela quando jovem.

“[Nós temos] todos os tipos de conversa, e eu dou ferramentas para eles lidarem com todas as situações. Isso é algo que eu nunca tive na idade deles. É muito importante para mim que os meus filhos saibam o que fazer na hora de namorar, como agir nos relacionamentos, no ambiente de trabalho, quero que levem essas habilidades para a vida. Todo o mundo precisa disso."

Mitchell dedicou quase 20 anos de sua vida à igreja, e disse que passou a vender fotos sensuais quando começou a questionar a sua própria sexualidade. Apesar de todos os aspectos positivos da mudança, ela afirmou ter receio da reação dos seus filhos por conta da sua escolha.

"Eles vão ter vergonha de mim? Vão ficar com raiva de mim por tê-los envergonhado com o conteúdo da internet? [Tenho] Todos os medos que você possa imaginar. Pensei neles um milhão de vezes mais do que em qualquer outra pessoa", afirmou.

Final do conteúdo

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem