Você viu?
Descrição de chapéu BBC News Brasil

Como pandemia 'gerou' bilionário mais jovem do Reino Unido

Johnny Boufarhat criou plataforma de eventos online em 2018 quando estava acamado com doença autoimune; sua fortuna pessoal é estimada em R$ 11 bilhões
Johnny Boufarhat criou plataforma de eventos online em 2018 quando estava acamado com doença autoimune; sua fortuna pessoal é estimada em R$ 11 bilhões - BBC News Brasil/Hopin
BBC News Brasil

Um empreendedor de 26 anos se tornou o bilionário mais jovem do Reino Unido depois de lançar seu negócio em plena pandemia de Covid-19. Nascido em Sidney, na Austrália, Johnny Boufarhat criou a plataforma de eventos online Hopin, lançada em março do ano passado.

O aplicativo já conta com 5 milhões de usuários e permite que os usuários transmitam discursos, realizem chats em vídeos e se conectem remotamente. Investidores apostaram pesado no negócio de Boufarhat, avaliado atualmente em 4,1 bilhões de libras (R$ 31 bilhões). O Hopin tem entre seus clientes empresas como a American Express e Hewlett-Packard.

Com isso, a fortuna pessoal de Boufarhat é agora estimada em 1,5 bilhão de libras (R$ 11,25 bilhões), posicionando-o em 113º lugar entre os mais ricos do Reino Unido, segundo o ranking elaborado pelo jornal britânico Sunday Times.

Na lista dos jovens mais ricos (abaixo de 30 anos), Boufarhat ocupa a terceira posição, depois da socialite Charlotte Wellesley e do duque de Westminster —os dois, no entanto, herdaram o dinheiro de suas famílias.

De pai libanês e mãe armênia, Boufarhat é australiano de nascimento, mas viveu em Los Angeles (Estados Unidos) e Dubai (Emirados Árabes Unidos) quando criança, antes de se mudar para o Reino Unido e estudar Engenharia Mecânica na Universidade de Manchester (Inglaterra).

Plataforma de eventos online Hopin foi lançada em março de 2020
Plataforma de eventos online Hopin foi lançada em março de 2020 - BBC News Brasil/Hopin

Seus pais haviam se mudado do Líbano para a Austrália durante a guerra civil de 1975-1990. Boufarhat criou o aplicativo em 2018 quando estava acamado no quarto de sua namorada por causa de uma doença autoimune.

Na época, ele começou a programar o aplicativo. Nos dois anos seguintes, passou a trabalhar com uma pequena equipe de oito desenvolvedores. Ele agora tem 500 funcionários, trabalhando principalmente nos EUA. A empresa não tem escritórios físicos.

Em novembro de 2019, Boufarhat disse aos investidores que a Hopin "seria a empresa de crescimento mais rápido do mundo", pouco antes do início da pandemia Covid-19. Ele conseguiu garantir milhões em financiamento para lançar o aplicativo em março do ano passado.

Durante a pandemia, a base de usuários da Hopin aumentou para 5 milhões, com 80 mil empresas entre seus clientes. Em 2020, a companhia teve receitas de 54 milhões de libras e tem previsão de faturar 130 milhões em neste ano.

Embora tenha seu domicílio registrado no Reino Unido, Boufarhat agora vive em Barcelona com sua noiva, que trabalha com ele. Boufarhat —que admite ser workaholic, viciado em trabalho— já trabalhou sete dias por semana, mas agora tira meio dia de folga aos sábados.

Ele disse ao Sunday Times: "Estou muito, muito focado no trabalho. Só quero ser o mais impactante que puder, de uma forma positiva para o mundo... Sou chato — não bebo, não faço nada assim". "Certifico-me de que toda a minha comida seja orgânica. Essa é a maior mudança que fiz. Estou muito, muito focado no trabalho."

Final do conteúdo

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem