Você viu?
Descrição de chapéu Páscoa

Ovos de Páscoa viram obras de arte e podem custar até R$ 2.500

Walter Musco faz homenagens a vários artistas em sua loja em Roma

Walter Musco faz homenagem ao artista argentino-italiano Lucio Fontana (à esq.) e  ao norte-americano Keith Haring
Walter Musco faz homenagem ao artista argentino-italiano Lucio Fontana (à esq.) e ao norte-americano Keith Haring - Vincenzo Pinto-30.mar.2021/AFP
Gildas Le Roux
Roma
AFP

Em um bairro popular no sul de Roma, as vitrines de uma confeitaria exibem suntuosos ovos de Páscoa multicoloridos, alinhados como obras de arte, uma homenagem à arte e à confeitaria.

Cada ovo de chocolate é esculpido em homenagem a um conhecido artista por Walter Musco, um romano de 47 anos apaixonado pela arte moderna e especialista em confeitaria na decoração de uma das tradições culinárias da festa do Domingo de Páscoa.

Sob um coração vermelho, os personagens de Keith Haring se destacam, um ovo amarelo-girassol foi adornado com as famosas incisões das telas do pintor ítalo-argentino Lucio Fontana, conhecido por seus trabalhos abstratos.

"Surgiu de uma ideia muito simples, minha paixão pela arte, que se estendeu à literatura, à música e ao cinema", explica Musco. "Todos os artistas que cito nesta exposição representam dez anos de produção. São os mais representativos e os que mais gosto. Incluí muitos artistas italianos (...) e internacionais, mas sobretudo da pop art: Keith Haring, Roy Lichtenstein", acrescenta.

Surpreende o ovo com um vestido de veludo vermelho, inspirado na estilista Azzedine Alaïa. Esses ovos especiais custam entre 150 e 400 euros (cerca de R$ 1.004 e R$ 2.675) . "Alguns pude decorar rapidamente, outros, porém, exigiram vários dias de trabalho", explica Musco, cuja cabeça está raspada com a mesma perfeição de suas criações.

Por serem muito caros, esses ovos de chocolate raramente são comidos. "Eles podem ser mantidos por muito tempo em lugares frescos, onde a temperatura não é muito alta", recomenda. Alguns ovos pertencem a coleções particulares de clientes que os compraram, mas nunca quiseram abri-los ou comê-los.

Para suas obras gastronômicas, Walter Musco, que as fabrica inteiramente à mão, usa 55% de chocolate amargo. "Todas as cores que usamos são para alimentos e são misturadas à manteiga de cacau em proporções precisas", explica.

Na oficina localizada no porão de sua confeitaria, no bairro de Tor Marancia, Musco voluntariamente se presta a uma demonstração de seu talento e armado com uma faca afiada, concentrado como um cirurgião em frente à mesa de operação, desenha com um gesto confiante.

"Sou autodidata. Tive uma galeria de arte há muitos anos. Vendia arte da África, Sudeste Asiático, Oceania, de aborígenes da Austrália. Aí me apaixonei por essa forma de arte mais eurocêntrica", confessa com um grande sorriso. "Tudo o que é abstrato e difícil de entender tem um forte impacto emocional", diz.

Também gostaria de contar com a colaboração de atores para suas criações, um projeto que o empolga para continuar evoluindo em busca de novas ideias e opiniões.

Final do conteúdo

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem