Viva Bem

Brasileiro entra no Guinness com 951 repetições de agachamento burpee

Cassiano Laureano bateu recorde em Singapura para ajudar sobrinha

Cassiano Rodrigues Laureano bate recorde e entra para o Guinness World Recordcom 951 repetições de burpee em uma hora - Joseph Campbell/ Reuters
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Singapura
Reuters

Agachamentos burpees são o exercício de academia que todo mundo ama odiar: você começa em pé, se agacha, coloca as mãos no chão, pula para trás em uma flexão, inverte e levanta novamente.

Agora faça isso 951 vezes. Essa foi a quantidade de agachamentos burpees que um brasileiro que vive em Singapura completou em uma hora, batendo o recorde e entrando para o Guinness em uma tentativa de arrecadar dinheiro para a sobrinha que nasceu ano passado com uma grave doença de coração.

A busca pelo recorde no mês passado por Cassiano Rodrigues Laureano, que completou 35 anos no dia da tentativa, foi verificada pelos juízes do Livro dos Recordes na segunda-feira (19).

"Estou cansado", afirmou Laureano, após completar o recorde na academia Tricolor Fight Team da cidade, onde dá aulas. "Não foi tão suave quanto eu pensava que seria." "Mas estou muito, muito feliz com o que consegui."

Nascido em São Gabriel, cidade do Rio Grande do Sul, Laureano, que também é um lutador profissional de artes marciais mistas (MMA) disse que foi motivado pela promessa feita à sobrinha, Rebeca.

"Não sei quando poderei vê-los", disse Laureano, sobre a família que ainda não encontrou desde que se mudou para Singapura, em maio de 2019. "Então é a única coisa que pude fazer para ajudar... usar meu atleticismo".

A meta original de Laureano eram 1.000 repetições, mas ele ficou um pouco abaixo por causa da uma lesão na perna contraída dois dias antes da tentativa. Ele havia treinado por cerca de nove meses antes de bater o recorde.

Final do conteúdo
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem