Televisão

Ana Maria Braga rebate fala de Bolsonaro: 'País de maricas coisa nenhuma'

'Não custa lembrar que é um país que já perdeu 162 mil almas por causa do coronavírus'

Ana Maria Braga apresenta o Mais Você
Ana Maria Braga apresenta o Mais Você - Instagram/@anamaria16
São Paulo

Ana Maria Braga, 71, rebateu nesta quarta (11), no Mais Você (Globo) fala do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) que o "Brasil precisa deixar de ser um país de maricas". A apresentadora começou o programa com a música "Alma Feminina", de Daniela Mercury, e disse: "Com essas palavras de Daniela Mercury, eu dou bom dia a todos. Ao país de maricas porque é um país de homens e mulheres guerreiros."

Trecho da letra da canção diz: "Canto porque sou guerreira. Tenho alma de mulher. Sou de fé, sou brasileira. Chego lá se Deus quiser."

Sem citar o nome de Bolsonaro, ela lamentou as mortes provocadas pela pandemia. "Não custa lembrar que é um país que já perdeu 162 mil almas brasileiras por causa do coronavírus. Um bom dia para você com fé. Fé de brasileiro", prosseguiu.

Horas depois, ela publicou no Instagram um vídeo em que repetiu a mensagem de bom dia que havia feito no Mais Você. "Bom dia, guerreiros. País de maricas coisa nenhuma", escreveu na legenda.

O presidente deu a declaração na terça (10) ao falar para um público formado por empresários do setor do turismo num evento para lançar políticas para impulsionar a área no Brasil.

"Tudo agora é pandemia. Tem que acabar com esse negócio. Lamento os mortos, todos nós vamos morrer um dia. Não adianta fugir disso, fugir da realidade, tem que deixar de ser um país de maricas", afirmou

"Temos que enfrentar, peito aberto, lutar", continuou. Em seguida, Bolsonaro disse que a geração hoje em dia é de "Toddynho, Nutella, zap".

O presidente fez a afirmação após dizer que estava correto ao propor medidas menos drásticas de isolamento social e criticar prefeitos e outros países que optaram por políticas mais severas e que agora "começam a amedrontar o povo brasileiro com a segunda onda".

Final do conteúdo

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem