Fofices

Garoto de quatro anos chama polícia para conhecer seus brinquedos e é atendido

Caso foi na Nova Zelândia: 'Brinquedos legais', disse oficial

Policial Kurt com o menino na Nova Zelândia que queria mostrar seus brinquedos - Video/policia Nova Zelandia
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

São Paulo

Um garotinho de quatro anos fez uma ligação para a polícia da Nova Zelândia, onde mora, e o resultado tem repercutido nas redes sociais.

Felizmente, não havia nenhuma emergência a ser combatida. Pelo contrário: o menino queria que os oficiais fossem à casa dele para conhecer seus brinquedos.

A própria polícia local publicou o acontecido e alegou que aquilo era “muito bonito para não compartilhar”.

Policial Kurt com o menino na Nova Zelândia - Video/policia Nova Zelandia

A ligação começa do jeito tradicional, com uma oficial da cidade de Invercargill, na Ilha do Sul, perguntando onde acontecia a solicitação. Foi então que o menino começou a falar.

“Aqui é a polícia, onde está a emergência?”. “Oi”, disse ele. “Policial?”, perguntou em seguida. Depois da resposta positiva, o jovem continuou o papo.

“Hum, posso te dizer uma coisa? Tenho alguns brinquedos para você”, emendou ele. “Você tem alguns brinquedos para mim?”, perguntou o despachante policial. “Sim. Venha vê-los”, solicitou o garoto.

Depois de se certificarem de que não havia nenhum tipo de transtorno acontecendo na casa do menino, policiais que estavam pela região foram orientados a ir até ele.

“Tem uma criança de quatro anos aí querendo mostrar seus brinquedos à polícia, câmbio.” Um policial entra na linha e confirma a ida. “Sim, vou atender.”

A polícia disse que o agente, identificado apenas como Kurt, foi ao endereço e confirmou aos colegas que o menino “tinha brinquedos legais”. Uma foto foi feita para registrar o encontro. Na imagem, o pequeno aparece sentado no carro da polícia com boné da corporação.

Final do conteúdo
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem