Aviso
Este conteúdo é para maiores de 18 anos. Se tem menos de 18 anos, é inapropriado para você. Clique aqui.

Cinema e Séries
Descrição de chapéu Cinema

Festival Sundance de Cinema vai apostar em formato híbrido em 2022

A próxima edição será realizada entre 20 e 30 de janeiro

O ator norte-americano Robert Redford, cofundador do Festival de Sundance
O ator norte-americano Robert Redford, cofundador do Festival de Sundance - Valery Hache/AFP
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

São Paulo
AFP

O Festival Sundance de Cinema terá no próximo mês sessões presenciais e virtuais pela primeira vez em sua história, em um momento em que seus organizadores abraçam "um ano experimental" para a indústria de produções "indie".

Cofundado pelo ator Robert Redford e baseado em Utah, no montanhoso oeste dos Estados Unidos, Sundance apresenta o melhor do cinema independente, documentários e produções artísticas, mas devido à pandemia, sua última edição em janeiro deste ano foi realizada online.

Com o avanço da variante ômicron, a diretora Tabitha Jackson disse à AFP que na próxima edição trabalhará com uma abordagem híbrida, contemplando exibições presenciais e virtuais, com debates para cada filme, o que deve "maximizar a flexibilidade" ao mesmo tempo que oferece "o melhor de dois mundos".

Entre os filmes selecionados está "Jeen-yuhs: A Kanye Trilogy", um documentário com mais de duas décadas de filmagens feitas por Clarence "Coodie" Simmons, amigo de longa data do músico Kanye West.

"Ele teve a visão de entender no que Kanye se tornaria e começou a gravar este filme desde o início", disse Kim Yutani, diretor da programação. "Esse é um dos prazeres dessa produção, ver Kanye se tornar Kanye."

Entre os documentários, estão também as estreias mundiais de "We Need to Talk About Cosby", que aborda a queda em desgraça de Bill Cosby, e "The Princess", sobre a vida e a morte da princesa Diana.

Dirigido por Amy Poehler, perfil da estrela de "I Love Lucy", Lucille Ball, e seu marido, intitulado "Lucy and Desi", será lançado em Salt Lake City.

Rory Kennedy, diretora indicada ao Oscar e filha de Robert F. Kennedy, aborda os erros que levaram aos acidentes do 737 Max que mataram 346 pessoas em "Downfall: The Case Against Boeing".

Devido às preocupações com o coronavírus, muitos diretores este ano usaram "imagens de arquivo como base para sua produção criativa", e a pandemia "convidou as pessoas a olharem perto de casa", disse Jackson.

No lado narrativo, Kazuo Ishiguro, ganhador do Nobel de Literatura, escreveu o roteiro de "Living", um remake de "Ikiru", do mestre japonês Akira Kurosawa, transplantado para a Londres dos anos 1950 e estrelado por Bill Nighy.

O falecido Michael K. Williams aparece ao lado de John Boyega em "892", que conta a história de um veterano de guerra americano que é levado a tomar medidas extremas e violentas quando se vê falido e prestes a ter que morar na rua.

Uma Emma Thompson "como nunca vista antes" estrela "Good Luck to You, Big Leo" como "uma mulher de certa idade que contrata um profissional do sexo", indicou Yutani.

E Lena Dunham, criadora de "Girls", retorna à direção com "Sharp Stick", um filme provocativo que se passa em Hollywood sobre o romance de uma garota de 26 anos com seu patrão mais velho.

A edição de 2022 do Festival Sundance de Cinema será realizada entre 20 e 30 de janeiro.

Final do conteúdo
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem